Orienta-te Redes Sociais

Carlos Mendes é docente do Instituto Politécnico de Viana do Castelo

O excerto

Pela cabine do inspector circulam pessoas, passaportes, vistos, livros de protocolo, boletins oficiais, advertências, exemplares do jornal oficial "A Verdade de Arstotzka" e panfletos de bordéis. Será através destes elementos que a geografia política imaginária de Papers, Please se torna verosímil e que o jogo se converte numa potente alegoria da desumanização da circulação de pessoas entre países pelas modernas burocracias dos estados-nação.

DR

Crónica

Glória à Arstotzka!

Com o lançamento de Papers, Please, um jogo sobre a paranóia securitária dos estados modernos e a expressão burocrática desta, esta será uma semana gloriosa para a Arstotzka

Texto de Carlos Mendes • 07/08/2013 - 11:26

Distribuir

Imprimir

//

A A

Papers, Please de Lucas Pope é uma distopia em que se assume a perspectiva de um inspector do posto fronteiriço de um país ficcional, a Arstotzka, reaberto em 1982, depois de seis anos em guerra com a vizinha Kolechia. A mecânica do jogo é simples: o inspector verifica documentos - os "papéis" -, procurando neles "discrepâncias" que possam denunciar visitantes indesejados pelo regime autoritário.

 

Inicialmente, a retórica e a iconografia totalitárias produzem apenas um efeito de caricatura, seguindo uma velha tradição de satirizar o "autoritarismo" do "Leste". Há, por exemplo, uma espécie de ressonância da rivalidade entre a Sildávia e a Bordúria dos álbuns de Hergé na tensão entre Arstotzka e Kolechia.

 

Pela cabine do inspector circulam pessoas, passaportes, vistos, livros de protocolo, boletins oficiais, advertências, exemplares do jornal oficial "A Verdade de Arstotzka" e panfletos de bordéis. Será através destes elementos que a geografia política imaginária de Papers, Please se torna verosímil e que o jogo se converte numa potente alegoria da desumanização da circulação de pessoas entre países pelas modernas burocracias dos estados-nação.

 

À medida que se avança no jogo, Papers, Please torna-se mais complexo e confronta o inspector com os dilemas morais das suas decisões. Por um lado, há que ponderar o próprio drama pessoal do burocrata, insuficientemente remunerado para prover uma família numerosa que depende da manutenção de um posto de trabalho obtido através de um "sorteio laboral" estatal. Por outro, o impacto das decisões que concretizam a indiferenciação da burocracia de estado na existência da gente desesperada que se apresenta no posto fronteiriço.

 

Quem quiser experimentar um dos jogos mais originais e relevantes deste ano, ainda numa fase de desenvolvimento precoce, poderá descarregar uma versão beta de Papers, Please gratuitamente

Eu acho que

Pub

Videoclipe.pt

Audio

Portugal continua "aquém do que poderia ser", como Afonso dizia ao PÚBLICO em 2013?

Vídeo

Vemos o vídeo uma vez e o primeiro pensamento é: isto existe mesmo? Vemos outra vez, fazemos uma pesquisa por Covão dos Conchos e a Internet devolve-nos...

Estes póneis são muito boas pessoas

Reportagem // No Pony Club do Porto, os animais são tão importantes quanto as crianças e os...