via GIPHY

Jogo

Esta “app” treina o ouvido musical — com gatinhos

"Ear Cat" não mia só para músicos. Jogo, criado pelo pianista português Filipe Melo e pelo britânico James Uhart, é para "qualquer pessoa que queira desafiar o ouvido”. Para aprender sem dar por isso

Texto de Renata Monteiro • 29/04/2018 - 12:21

Distribuir

Imprimir

//

A A

Motivação para treinares o ouvido: por cada nota ao lado que deres, um gatinho bebé (virtual) vê a sua cauda ser pisada. Sem pressão: não será isto que acontece quando metes a pata na poça durante o treino na aplicação Ear Cat, mas o miado agudo que se insurge da melodia do jogo, disponível para iOS e Android, deixa muito à imaginação.

 

Já quando acertas, o coro de gatos é afinado — e, provavelmente, o teu ouvido também. Porquê praticar com gatinhos? Porque, nos Estados Unidos da América, os músicos de jazz são apelidados de cats; porque é o último capítulo da série de apps Melody Cats do músico e programador James Uhart; ou simplesmente porque Filipe Melo, co-criador do jogo, tem dois em casa que “são espectaculares”.

 

O pianista — que também estende os dedos ao cinema, à rádio, à banda desenhada e até ao conhecido podcast Nêspera no Cu — conheceu o programador autodidacta inglês enquanto estudavam piano no Berklee College of Music, em Boston. Uhart, que depois do Brexit decidiu vir morar para Portugal, admirava-se com a forma como o amigo ensinava os estudantes da Escola Superior de Música de Lisboa a melhorarem o ouvido musical. E foi esse “método mais intuitivo de ensinar os intervalos e as melodias”, afinado ao longo de quase 20 anos, que deu origem ao jogo educacional que pode ser usado fora das salas de aulas (e aproveitado dentro delas).

 

O que James Uhart não nos conta é que Rhythm Cat, a aplicação que fez sozinho para crianças aprenderem a ler ritmo, já soma mais de quatro milhões de downloads na App Store e foi adaptada para integrar o “ensino público de música dos EUA, da China, da Austrália” (quem nos fala disto, por sua vez, é o amigo português que o programador elogiava antes). Depois do ritmo, o jogo Treble Cat trouxe a leitura em clave de sol e o Bass Cat em clave de fá.

 

Um jogo que mia para todos

Para concluir a série Melody Cats, chegou então a aplicação Ear Cat, cujo download foi gratuito durante a primeira semana, custando agora cerca de cinco euros. Mas atenção que este jogo não mia apenas para músicos. Serve para “qualquer pessoa que queira desafiar o seu ouvido”, garante Filipe Melo, em declarações por email ao P3. A cada gato corresponde uma nota e “pouco a pouco, quem está a jogar, dá por si a conhecer os graus de uma escala” e a descobrir “como os aplicar musicalmente em qualquer instrumento”.

 

Sorrateiramente, ao longo de 80 níveis, os utilizadores estão a “divertir-se”, “sem se aperceberem das competências que estão a adquirir”. “Todos aprendemos a ouvir, antes de falar. E só depois de falar aprendemos a escrever. Com a música também deveria ser assim”, acredita o músico. É importante, considera, promover a “comunicação e a aprendizagem entre os músicos e a audição em vez do isolamento”.

 

Foi também por isto que o pianista se virou para o jazz, estilo que lhe consentia a improvisação “em tempo real, como uma linguagem”. Tudo se “tornou mais intuitivo, mais natural” e, consequentemente, “mais fácil”. No ensino tradicional, vê o oposto: os ditados melódicos são feitos pensar “nos intervalos de nota para nota, em vez de um reconhecimento natural dos graus em relação a um centro tonal”. Isto significa que, ao falhar uma nota, “todas as seguintes estão erradas”.

 

Poucos dias depois do lançamento da Ear Cat, “uma série de músicos célebres da nossa praça” já chegou ao fim “com a pontuação máxima” ("purrrfect!", lê-se, no final). Por isso, “com vontade de os tramar com novos níveis de dificuldade”, avizinham-se futuras actualizações da aplicação.

 

Para os que já acham difícil passar do primeiro nível, calma: Filipe não acredita em casos perdidos. O nível de facilidade na aprendizagem, diz, depende do “grau de exposição ao fenómeno musical” e à “forma como esse interesse se desenvolve ao longo dos anos”. O que não é o mesmo que “obrigar os filhos a tocar um instrumento”. “Estimular”, sim. “Impor”, nunca. “Em francês, em inglês, a palavra para tocar um instrumento é a mesma que para brincar. Devia ser sempre assim” — e, se não for pedir muito, com gatinhos.

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que