Porto

Vamos falar de mapas abertos?

O Open Data Day acontece a 3 de Março, sábado, e a ideia é discutir as vantagens dos dados abertos. João Pina, dos Fogos.pt, é um dos convidados do evento, que tem acesso livre

Texto de Ana Jorge Teixeira • 01/03/2018 - 15:22

Distribuir

Imprimir

//

A A

A cidade do Porto volta a ser o palco escolhido para receber mais uma edição do Open Data Day. Esta é uma iniciativa anual que pretende celebrar os dados abertos. No mesmo dia, em vários países do mundo, são organizados dezenas de eventos dedicados a realçar as vantagens e oportunidades deste tipo de dados. Acontece a 3 de Março, no Pólo das Indústrias Criativas do Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto (UPTEC-PINC) e o tópico escolhido para 2018 são os mapas abertos.

 

Durante este sábado vão juntar-se vários convidados com projectos de dados abertos de carácter geográfico a nível institucional, empresarial, académico e independente. A recepção é às 10h30 e o "dia aberto" prolonga-se até às 17h30.

 

João Pina, criador do Fogos.pt — o site que permite saber em tempo real os incêndios em todo o país — é um dos convidados. É uma oportunidade para João Pina partilhar a "sua experiência" e servir como "inspiração para haver mais cidadãos a utilizar dados abertos, criando ferramentas úteis para a sociedade", explica João Antunes, um dos organizadores do evento ao P3. O projecto é um exemplo da "reutilização de dados abertos em Portugal" e João considera que o Fogos.pt é um dos melhores exemplos da reutilização de dados abertos no nosso país.

 

Ao longo do dia também vai haver tempo para um workshop orientado pela equipa OpenStreetMap Portugal, "com vista a iniciar os participantes no recurso de dados geográficos abertos (com utilização independente, comercial e institucional)" e para explicar como contribuir "para melhorar e afinar os mapas lá disponíveis", revela.

 

O programa conta ainda com uma sessão com Miguel Tavares que, em representação da Câmara Municipal de Águeda, a vai explicar como é se "reutiliza informação geográfica aberta, nomeadamente o OpenStreetMap (mapas livres editáveis por todos, tal como a Wikipédia)". Os representantes do Instituto Nacional de Estatística (INE), Francisco Caldeira e Ana Santos, vão também falar sobre os esforços para disponibilizar livremente "informação geográfica em Portugal, no âmbito dos Censos e não só".

 

O evento é gratuito e os interessados em participar têm apenas que fazer um registo.

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que