DR

Acessibilidade

Com a Lapa, um cego pode ouvir onde está o objecto que perdeu

Empresa do Porto desenvolveu uma nova funcionalidade no dispositivo que localiza objectos, animais ou pessoas, através de uma aplicação. O controlo de voz do iPhone diz ao utilizador se está perto ou longe da Lapa

Texto de Ana Maria Henriques • 20/02/2017 - 16:21

Distribuir

Imprimir

//

A A

No momento em que decidimos sair de casa, as chaves não aparecem. Se o porta-chaves tiver uma Lapa, a aplicação para smartphone activa o dispositivo Bluetooth e este emite um som e uma luz, indicando se estamos perto ou longe através de uma espécie de radar. Este é o princípio da Lapa, dispositivo Bluetooth desenvolvido por uma empresa portuguesa há quatro anos. Neste período, alguns utilizadores chamaram a atenção para o facto de a aplicação não ser acessível para cegos. João Oliveira e Luís Certo, os dois co-fundadores, nunca se tinham apercebido dessa falha. “Como é que eu encontro as chaves se não vejo, mesmo com a Lapa?” Através do VoiceOver do iPhone, que faz a leitura do que está a acontecer no ecrã, a aplicação tem agora novas funcionalidades e fala com o utilizador para lhe dizer onde está o objecto perdido.

 

“Isto é único, nenhum dos nossos concorrentes tem algo semelhante”, garante João Oliveira, de 31 anos. Optimizada, a aplicação da Lapa permite o controlo por voz e fala com o utilizador. “O nível do radar também é verbalizado, diz-nos quão perto estamos do objecto”, relata Luís, de 32 anos. Ao dar indicação à aplicação para procurar a Lapa em questão, o utilizador vai ouvindo indicações sobre onde procurar, quase como se fosse o “jogo do quente ou frio”. “Qualquer objecto é alcançável e o telefone também fica seguro”, acrescenta.

 

Para já, esta nova funcionalidade apenas está disponível para utilizadores de iOS. “Estamos a trabalhar de perto com um norte-americano que tem sido o nosso beta user, porque há coisas para as quais não temos sensibilidade”, conta Luís. “Satisfaz-nos perceber que podemos ter impacto na vida das pessoas”, acredita João.

 

Desde 2013 — quando demos a conhecer a Lapa no P3 —, a start-up, incubada na Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE), aumentou a equipa (de quatro para dez pessoas, com idades entre os 25 e os 32), angariou 440 mil dólares (quase 413 mil euros) em duas campanhas de crowdfunding e 350 mil euros na versão portuguesa do programa televisivo Shark Tank. O alcance do dispositivo duplicou de 30 para 60 metros e a autonomia é de um ano, com bateria substituível. À prova de água, a Lapa tem ainda um botão para accionar o smartphone, uma espécie de modo de segurança, “mesmo que este esteja em silêncio”: em vez de ser a aplicação a localizar o objecto que tem uma Lapa, é o dispositivo a ajudar a encontrar o telemóvel.

 

O modo de segurança, destacam os dois co-fundadores, é muito utilizado em animais e crianças. Há clientes que usam a Lapa em gatos, com coleiras próprias, para assim saberem por detrás de que móvel lá de casa se esconderam. O mesmo acontece com pais que colocam uma pulseira da Lapa nas crianças e assim são sempre avisados quando estas se afastam do raio de acção do pequeno dispositivo de oito gramas.

 

À venda online e em lojas tecnológicas e de design, a Lapa tem um preço de 29,95 euros, valor que diminui consoante o número de dispositivos comprados. O mercado nacional, revela João Oliveira, “representa uns 15% do volume de negócios”; o produto chega a mais de 80 países, sendo que é dos Estados Unidos, do Reino Unido e da Alemanha a maior parte das encomendas estrangeiras.

 

Depois da acessibilidade para cegos, o foco da start-up é “embutir a Lapa em produtos de outras marcas, como mochilas, carteiras, pulseiras ou porta-chaves”. Já há três marcas associadas, garantem João e Luís, que vêem este segmento do negócio como uma oportunidade no “mundo da Internet das coisas, tão em voga”. “Toda a gente quer ter as coisas conectadas, em rede, e nós conseguimos oferecer às marcas informação de utilização dos produtos por parte dos consumidores”, explica João. “É apenas a ponta do icebergue”, sintetiza Luís. “Nesta fase, o nosso objectivo é, acima de tudo, tornar os objectos mais inteligentes e detectáveis. A Lapa é um elo digital que ainda não existe, queremos preencher essa falha.”

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que