Orienta-te Redes Sociais
Carlos Mendes é docente do Instituto Politécnico de Viana do Castelo

Carlos Mendes é docente do Instituto Politécnico de Viana do Castelo

Em Minecraft tudo é feito de cubos...

Em Minecraft tudo é feito de cubos... DR

... e o limite é a imaginação

... e o limite é a imaginação DR

DR

Minecraft

Crónica

Minecraft: cuidado com os creeperssss!

Provavelmente, é o mais importante de todos os videojogos indie já desenvolvidos

Texto de Carlos Mendes • 19/12/2011 - 11:52

Distribuir

Imprimir

//

A A

Um mês depois do lançamento oficial, Minecraft acabou de vencer o prémio de “melhor jogo independente” nos Video Game Awards. Provavelmente, é o mais importante de todos os videojogos indie já desenvolvidos.

 

Em Minecraft, o avatar do jogador, Steve, é transportado para uma espécie de pintura pastoril recriada por um pixel artista, com lobos e animais de criação que circulam em liberdade. A prioridade de um jogador é recolher os recursos necessários para construir um abrigo provisório. À noite, a paisagem idílica transforma-se num lugar hostil, com criaturas perigosas.

 

A galeria de vilões de Minecraft é das mais fascinantes da cultura popular actual: os creepers, monstros suicidas que emitem um som “ssssibilado” antes de explodirem, são um ícone do jogo, evocando os horrores do terrorismo moderno; os misteriosos endermen, seres longilíneos que se teletransportam e carregam blocos sem razão aparente; e ainda zombies, esqueletos arqueiros e aranhas gigantes.

 

Minecraft é um mundo em aberto, sem narrativa linear ou objectivos. Os jogadores – enquanto exploram, escavam e constroem – transformam o mundo criativamente. A solidão é um tópico importante no jogo, experiência que é intensificada pela música composta pelo alemão C418, ambiental e melancólica. Na enorme “pegada ecológica” de Steve para sobreviver solitariamente neste ecossistema fantástico entrevê-se um subtexto ambientalista.

 

Desenvolvido desde 2009, Minecraft é um jogo de autor, o produto visionário de Notch, pseudónimo de Markus Persson. É revivalista, prestando homenagem a videojogos do passado, e combina diferentes géneros lúdicos. A história deste programador sueco é uma típica narrativa de sucesso: do pedido de demissão na empresa em que trabalhava até tornar-se, em pouco tempo, numa pequena celebridade mundial (meio-milhão de “seguidores” no Twitter). E muito rico, depois de mais de quatro milhões de cópias vendidas exclusivamente na página oficial do jogo.

Eu acho que

Pub

Videoclipe.pt

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Fotografia

Para marcar o início da terceira temporada da mítica série norte-americana "Twin Peaks" — que regressou ao pequeno ecrã dos Estados Unidos no dia 21 de Maio de...

Entre casais também há violações

Vídeo // A realizadora Chloé Fontaine chamou à curta metragem Je suis ordinaire — o que...