Orienta-te Redes Sociais

O "Comida de Rua" cria verdadeiros restaurantes ao ar livre DR

Os mercados são ponto de paragem habitual durante o Inverno DR

DR

Alimentação

“Comida de Rua”: uma mota com cozinha às costas

É uma mota e tem uma cozinha na traseira. Percorre a área metropolitana do Porto a vender refeições saborosas

Texto de Betty Lee Silva • 22/03/2013 - 17:20

Distribuir

Imprimir

//

A A

A comida de rua já não se limita a cachorros, hamburgueres e bifanas. As motas do “Comida de Rua” percorrem a zona do Porto a vender comida de qualidade e juntam à ementa receitas alternativas. “Podemos até usar ingredientes portugueses conhecidos, mas damos um toque especial a todas as sandes e combinações”, explica ao P3 Isabel Tavares, mentora do projecto. 

 

Isabel criou o “Comida de Rua” juntamente com o marido e um amigo, depois de ficar desempregada. Com 40 anos , grávida e três filhos, sentiu que a solução passava por criar o seu próprio negócio. O marido sempre teve “jeito para cozinha”, e ela para apreciar as pratos. Depois fez muita pesquisa na internet, à procura de algo diferente, que ainda não existisse. Encontrou o arquitecto italiano Andrea Carletti, da Street Food Mobile, que transforma as traseiras de motas em cozinhas ambulantes. “Desde aí até termos a mota, o logótipo, a imagem e todo o conceito pronto foi cerca de meio ano”, lembra Isabel. 

 

Este fenómeno já é conhecido em países como Estados Unidos, mas em Portugal só agora dá os primeiros passos. Para Isabel, o principal entrave “é a questão burocrática, de ter a licença para estar na rua”. Os critérios de atribuição variam consoante as autarquias e para já o “Comida de Rua” tem apenas licença em Matosinhos. No Porto, vão marcando presença em diferentes eventos para chegar aos clientes, uma vez que as licenças são diferentes. 

 

Próxima paragem: Lisboa?

A ementa é variada e original. Começou com as sandes de leitão e laranja, o ex-líbiris do “Comida de Rua”, e hoje já conta com mais de seis sandes. “Nós vamos aumentanto e fazendos os menus consoante o evento, o clima, o local”, explica Isabel. Sempre tendo em conta a higiene, a qualidade, e a imagem — “Tudo conta para as pessoas terem um momento especial.”

 

O projecto tem ainda a colaboração do chef Elísio Bernardes. Também ele apreciador da comida de rua de qualidade, desde o início que dá apoio na confecção e desenvolvimento dos produtos. 

 

Para já a adesão é grande, e os projectos para o futuro multiplicam-se. Isabel espera ter mais uma mota até ao final do ano e expandir território. “Tivemos muitas solicitações de vários pontos do país, nomeadamente Lisboa.” Certo é que com a chegada da Primavera vão aumentar a presença na rua. “Quando o tempo começar a ficar mais certo, vamos para a praia, entre Matosinhos e Leça”, revela Isabel Tavares. 

 

Para quem quiser experimentar, é muito simples — basta estar atento à página do Facebook, onde a localização da mota é anunciada. 

Eu acho que

Pub

Videoclipe.pt

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Acessibilidade

Empresa do Porto desenvolveu uma nova funcionalidade no dispositivo que localiza objectos, animais ou pessoas, através de uma aplicação. O controlo de voz do...

52 plantas e uma vida mais calma

Instagram // Em dois anos, coleccionou 52 plantas. Fora as que ofereceu, fora as que...