Projecto

O Porto foi invadido por hambúrgueres.

Para quem ainda não percebeu, o Porto está a ser invadido pelo "disco de carne picada entre dois pedaços de pão". A base de dados foi criada por seis amigos

Texto de Sara Lopes • 23/07/2017 - 10:41

Distribuir

Imprimir

//

A A

“A cidade do Porto tem sido conquistada em silêncio pelo disco de carne picada entre dois pedaços de pão”. Esta é a primeira frase que se pode ler na página web da Invasão dos Hambúrgueres. O projecto, baseado na análise de dados, foi criado por Tiago Vieira, João Antunes, Ana Isabel Carvalho, Ricardo Lafuente, Paula Machado e Joana Alves e mostra a localização das hamburguerias que abriram no Porto a partir de 2009.

 

Ricardo Lafuente, um dos responsáveis pela extracção de dados, confessa que pensaram no projecto por ainda não existir informação sobre o assunto. O Co-fundador do Jornalism++ e os restantes membros do grupo quiseram perceber o fenómeno e “desenterrar uma visão mais clara sobre a cidade do Porto e sobre o país”, afirma. Começaram por recolher os dados, através do TripAdvisor e de notícias nos meios de comunicação e, em seguida, utilizaram ferramentas de open source para processar os dados. A partir daí, foi criar o site e ir actualizando os dados.

 

Chegaram a um total de 43 estabelecimentos. Com excepção de 2010, ano em que não abriu nenhum espaço novo, 2014 e 2015 foram os anos com mais inaugurações na área, com 13 e nove novas hamburguerias, respectivamente. “Quisemos perceber esta explosão, que não tem vindo a diminuir”, confessou Lafuente.

 

O também vencedor de uma bolsa Google para um projecto de crowdsourcing no jornalismo, com um projecto sobre processamento de um grande volume de dados, afirma que o objectivo era poder “pegar no telemóvel e perceber as áreas da cidade onde estão a abrir mais hamburguerias”.

 

O projecto foi criado, em 2016, num dos encontros promovidos pela Date With Data, na UPTEC-PINC, polo de indústrias criativas da Universidade do Porto e tem vindo a ser “actualizado sempre que possível”.

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que