Unsplash/Pixabay

Sexualidade

Eros Porto 2016: os pés são o objecto do desejo no Eros Porto 2016

O Eros Porto vai voltar à Exponor entre os dias 10 e 13 de Março. O fetichismo por pés, o sexo tântrico e o “swing” são os principais destaques do maior evento erótico de Portugal

Texto de João Pedro Sousa / JPN • 05/02/2016 - 17:55

Distribuir

Imprimir

//

A A

O espaço “foot fetish” é a grande novidade da nona edição do Eros Porto — Salão Erótico do Porto. É uma zona dedicada aos visitantes que apreciam o fetichismo por pés. Os visitantes podem descobrir mais sobre os pés como objecto de desejo sexual através de massagens, beijos, conversas e discussões.

 

A área foi organizada por Arola Poch, psicóloga e “blogger” de sexo, e por Sergy Martin, director da Spanish Foot Fetish. Neste espaço “acontece o que cada um quer que aconteça”, menciona Arola Poch no site da organização. A psicóloga refere ainda no seu blogue a importância de “explorarmos os nossos gostos sem autocensura”.

 

Outra das áreas temáticas do Eros Porto 2016 está ligada ao sexo tântrico. A prática promove uma sexualidade saudável, baseada no “amor sagrado e divino”, lê-se no site do evento. O erotismo tântrico pretende ampliar conscientemente o potencial sexual do homem e da mulher através de ensinamentos espirituais para estimular orgasmos múltiplos e um estado de êxtase.

 

Por fim, a área “Swinger” promete ser o espaço ideal para os casais mais liberais. Os membros que se encontrem nesta zona podem ter relações sexuais com o seu par ou com uma terceira ou quarta pessoa, numa orgia feita num "stand" privado.

 

A feira de sexo comemora o nono aniversário e vai regressar com as mais diversas tendências do erotismo. O evento está aberto a homens e mulheres maiores de 18 anos, independentemente da orientação sexual.

 

A edição deste ano tem como porta-vozes os actores portugueses Fostter Riviera e Erica Fontes e continua a apostar na componente educativa das actividades. Os visitantes podem obter informação sobre questões relativas à sexualidade junto dos artistas e em palestras lúdicas.

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que