Orienta-te Redes Sociais
A revista "Jacques" regressa ao erotismo mais clássico

A revista "Jacques" regressa ao erotismo mais clássico Jonathan Leder

"Too Much Pussy!", filme de Émilie Jouvet

Francois Sagat fotografado por Terry Richardson

Audio

Portugal não é assim tão conservador, afirma Pedro Nobre

Sociedade portuguesa aceita melhor a sua própria sexualidade e a de grupos minoritários , diz João Manuel Oliveira

Sexo

Porno, mas com classe

A internet criou o gigantesco mercado de filmes caseiros, mas, em simultâneo, a pornografia chegou à maturidade noutras indústrias. Estará o sexo a ficar democrático?

Texto de Amanda Ribeiro • 29/10/2011 - 09:23

Distribuir

Imprimir

//

A A

Nunca foi tão fácil consumir pornografia e nunca existiu tanta variedade como nos dias de hoje. A internet consolidou a massiva indústria de vídeos caseiros, e, em simultâneo, o mercado erótico "kitsch" começou a definhar. Basta pensar que a "Playboy" teve de se sofisticar para chegar a classes sociais mais altas e assim sobreviver. Por todo o mundo, surgem publicações que exploram um erotismo inteligente. Portugal não é excepção: o número zero da revista (in)visível foi dedicado à pornografia.

 

Se a pornografia começou por explorar uma visão hegemónica da mulher, objectivada como um sujeito passivo e alheio ao prazer, começam a surgir cada vez mais versões alternativas, graças a "movimentos que questionam este lugar de objecto do sexo feminino", considera João Manuel Oliveira, investigador na área dos estudos de género e teoria feminista. A internet e a "valorização do trabalho sexual" potenciou uma variedade de conteúdos eróticos.

 

"A pornografia nunca foi um discurso único. Pode-se dizer que a indústria está em mudança. Aliás, devíamos falar em indústrias", refere, alertando para a existência de subgrupos dentro da própria pornografia: a feminista, a "queer", a fetichista. "A internet potencia a diversidade", confirma Pedro Nobre, coordenador do Sexlab, unidade de investigação da Universidade de Aveiro. "Permitiu democratizar o sexo. O sexo explícito não é tão estigmatizante e acho que, de alguma forma, estará relacionado ao maior interesse das mulheres por estes temas." 

 

O homem está sempre mais disponível?

Em Maio do ano passado foram divulgados resultados surpreendentes de um estudo do Sexlab: as mulheres sentem-se mais excitadas com filmes de cariz sexual do que os homens. Mais importante do que as diferenças entre género é a forma como as pessoas encaram a sexualidade.

 

"Culturalmente, foi construído um duplo padrão moral que decretou que o homem é mais disponível para o sexo do que a mulher. Esta categoria simplista é cada vez mais difícil de encaixar. Há homens que não se revêem nisto e hoje têm mais facilidade em assumi-lo, graças à democratização do sexo." Do mesmo modo, há uma "redefinição do papel da mulher" com os impulsos do movimentos pós-porno, considera João Manuel Oliveira.

 

O fim dos antigos paradigmas avizinha-se, perspectiva Pedro Nobre: "Daqui a 30/40 anos, este duplo padrão poderá estar em vias de extinção."

 

A pornografia "queer"

Beatriz Preciado, uma das grandes ideólogas da pornografia "queer" e da pós-pornografia, assinou, em 2002, o "Manifesto contra-sexual", baseando-se em conceitos já explorados por Foucault, Deleuze e Judith Butler, entre outros. Defendendo a mudança do paradigma, Preciado propõe a criação de novos conteúdos pornográficos por sujeitos e grupos silenciados como combate à dita "pornografia hegemónica". Estes conteúdos ganham, assim, uma nova faceta política e social. 

 

"A partir dos anos 90 começa-se a sentir a necessidade de ter um discurso social na pornografia", indica João Manuel Oliveira, recordando as origens da pós-pornografia.

 

São muitos os trabalhos audiovisuais que se inserem neste contexto, dando origem a um novo mercado com as suas próprias estrelas: François Sagat, Buck Angel, Ron Athey, Annie Sprinkle, Émilie Jouvet. Em Espanha, há um grupo que faz "pornoterrorismo". E não deixa de ser curioso, diz o investigador, como é que Bruce LaBruce, provavelmente o mais conhecido pornógrafo do mundo, continua a ser considerado um "realizador de cinema alternativo". Mas isso fica para um próximo artigo.

Eu acho que

Pub

Videoclipe.pt

Fotografia

Pensar no Dubai é, muitas vezes, sinónimo de imagens com ostentosos edifícios e arranha-céus à cabeça. Mas o fotógrafo polaco Irenaeus Herok mostra outro lado...

Reportagem do P3 vence Grande Prémio...

Jornalismo // Mariana Correia Pinto, jornalista do PÚBLICO, ganhou o prémio atribuído pela...