Orienta-te Redes Sociais
<b>DR</b>

DR

<b>DR</b>

DR

Viagem

Diogo foi dar uma volta à Europa com 31 euros no bolso

Diogo Bhovan, 19 anos, meteu-se à estrada para uma aventura a que chamou “Vou Ali e Já Venho”. Orçamento: um euro por dia. Num mês, foi a sete países

Texto de Mara Gonçalves • 15/11/2013 - 16:25

Distribuir

Imprimir

//

A A

A mãe disse que “estava maluco”, mas Diogo Bhovan não queria deixar o sonho “ficar na gaveta”. Não queria ser mais uma daquelas “pessoas mais velhas que conheceu no último ano”, que lhe contavam como eram cheios de sonhos quando tinham a idade dele e “até hoje não os concretizaram”. Não queria deixar que as viagens pelo mundo com que andava a sonhar há quatro anos, desde que fez um estágio na Holanda no ensino secundário, morressem entre linhas de programação de um futuro emprego em Engenharia Informática. A família percebeu que “tinha esta ideia muito fixa e que estava a levar isto bastante a sério”. Apoiaram.

 

No Verão, Diogo decidiu. Se não dava para ser o mundo todo, iria começar na Europa. Se não dava para ser com mais dinheiro, iria partir com um euro por cada dia de viagem. “Pensei em mil e uma formas de tentar suprimir este obstáculo [monetário], até que decidi tomar uma decisão radical e fazer a viagem sem dinheiro. Depois alterei a ideia e fiz com apenas um euro por dia”, conta-nos. O valor era simbólico, um conceito para que pudesse dizer “vou ali e já venho”, nome que deu ao projecto. Um incentivo para que se deixasse levar à aventura. “Queria que fosse a viagem a controlar-me um bocadinho a mim”, recorda o jovem de 19 anos, estudante de Engenharia Informática e presidente de uma associação juvenil.

 

Ao longo do mês de Agosto, Diogo visitou sete países, de França a Itália. Dormiu num camião TIR e descobriu “um bocadinho o mundo dos camionistas”, conheceu Berlim e Viena através do olhar de quem o acolheu, reencontrou familiares em Luxemburgo, trabalhou uma noite num festival e até decidiu passar pela “experiência de pedir esmola” para comprar um hambúrguer.

 

Em cada cidade, falava com centenas de desconhecidos sobre o projecto, pedia boleia, alojamento, comida ou mesmo dinheiro. Recebeu “muitos ‘não’, muita indiferença”, mas também solidariedade. Depois de uma noite de duas horas de sono na entrada de um hostel e de dois dias a percorrer Paris de lés-a-lés “para ver se alguém o conseguia ajudar” a encontrar um sítio onde ficar, o português conheceu Catherine, uma jornalista britânica a viver em França. Convidou-o para ir com ela e um amigo a uma sessão de cinema ao ar livre e depois ofereceu-se para o alojar naquela noite. “Lembro-me de estar aliviado, a ter uma boa refeição com aquelas duas excelentes pessoas, a ver um filme ao ar livre, com a Torre Eiffel como paisagem à minha esquerda, enquanto acontecia o pôr-do-sol”, conta.

 

“Encontrei pessoas em todos estes países completamente extraordinárias, que não me conheciam e que me davam as chaves de casa, que diziam para comer o que quisesse do frigorífico”, recorda. Em Bruxelas chegou mesmo a ir buscar as chaves do apartamento ao restaurante onde a anfitriã trabalhava, porque tivera um imprevisto e só chegava de madrugada. Não se conheciam, Irene ligou-lhe pela primeira vez naquela noite para lhe dizer “que podia entrar e estar à vontade”.

 

Regressou com mais dinheiro 

No entanto, a experiência que mais o marcou foi a viagem de autocarro a caminho de Itália. Depois de horas numa estação de serviço em Viena a pedir boleia na direcção errada, viu um autocarro e pôs-se “quase no meio da estrada” com a placa branca que levava para os pedidos de boleia. O motorista teve pena, os passageiros concordaram em levá-lo a bordo. “Todo o acolhimento foi fantástico. De repente tinha 60 italianos a fazerem-me perguntas, a dar-me donativos, consegui logo alojamento”, conta. A viagem terminou em casa de uma das passageiras, que organizou um jantar com toda a família numa pizzaria italiana. “Sentia-me um famoso”, confessa.

 

Contra quaisquer expectativas, o magro orçamento tornou-se lucro. As pessoas que lhe ofereciam alojamento “acabavam por oferecer também a alimentação”. Outras davam boleia, bilhetes de metro, dinheiro. Partiu com 31 euros. Regressou com 183,02 euros — como descreve detalhadamente no Facebook — e um novo vício: “falar com pessoas totalmente diferentes e conhecer as suas experiências de vida”.

 

O único grande obstáculo foi mesmo “gerir todos os sentimentos de saudade”, confessa. “Foi o mais difícil da minha viagem, os pequenos momentos que sentia vontade de regressar a casa, sentia saudades da minha zona de conforto, das minhas pessoas”. O último dia em Viena “mal saiu à rua, estava em casa agarrado ao Facebook”, conta. Por isso, na próxima viagem deverá ser acompanhado, para ter uma experiência diferente. Ainda sem data ou destino, garante que vai repetir a aventura, não nos mesmos moldes mas “sempre com alguma componente desafiante”.

Eu acho que

Pub

Videoclipe.pt

Vídeo

Desde 2000, estima-se que dez mil crianças palestinianas tenham sido detidas pelo exército israelita. A cada 12 horas, uma será detida, interrogada, processada...

O que une e separa todos os irmãos do...

Fotografia // Quando falamos de irmãos, a palavra partilhar torna-se praticamente obrigatória...