Orienta-te Redes Sociais
Gonçalo Lobo Pinheiro é fotojornalista

Gonçalo Lobo Pinheiro é fotojornalista

Em 1999, Portugal devolveu Macau à China

Em 1999, Portugal devolveu Macau à China Manuel Roberto

Destaque

“A multiculturalidade de Macau dá outro colorido ao território. Actualmente, quase que arrisco a dizer que existe, pelo menos, um indivíduo de cada país. De acordo com números oficiais, a maioria da população é, naturalmente, de origem chinesa, sendo que os filipinos, os indonésios e os portugueses, compõem os restantes lugares do ranking.”

Daniel Rocha

Macau: onde o Ocidente e o Oriente se juntam

Crónica

Macau, onde o Ocidente e o Oriente se juntam

Em 1999, Portugal devolveu Macau à China. Ao abrigo da sua autonomia, o território, que já ultrapassou Las Vegas em termos de receitas de jogo, é visto como o elo de ligação entre a milenar China e a lusofonia. Pelo menos até 2049

Texto de Gonçalo Lobo Pinheiro • 18/07/2012 - 17:34

Distribuir

Imprimir

//

A A

A hora é tardia. Estão 30 graus, chove e a humidade situa-se em valores na ordem dos 90%. Macau é assim, tem um clima muito próprio. Mas o território tem outras especificidades.

 

Conhecido no mundo pelo jogo, Macau é uma Região Administrativa Especial da República Popular da China. Nos cerca de 28 quilómetros quadrados, a Cidade do Santo Nome de Deus – como também é conhecida – não está longe dos 600 mil habitantes, o que a torna na cidade com maior número de pessoas por pedaço de terra disponível à escala global.

 

Os casinos trouxeram o desafogamento económico que, por exemplo, a Europa ou os EUA invejam. No total, a “Las Vegas do Oriente” possui 34 salas de jogo entre as quais está o maior casino do mundo – o Venetian. A economia gira em torno deste fenómeno, que viu a sua liberalização no final de 2001, quando o prazo da concessão do monopólio de Stanley Ho expirou. Paralelamente, o Governo pretende dar outro cunho a Macau. As autoridades têm vindo a terreiro defender o território como um Centro Internacional de Turismo e Lazer. Aqui há Património Mundial da Humanidade da UNESCO. Apesar disso, a agência da ONU já avisou que o trabalho de casa não está a ser bem feito, tendo levado o Governo a reformular as leis de protecção do património.

 

A multiculturalidade de Macau dá outro colorido ao território. Actualmente, quase que arrisco a dizer que existe, pelo menos, um indivíduo de cada país. De acordo com números oficiais, a maioria da população é, naturalmente, de origem chinesa, sendo que os filipinos, os indonésios e os portugueses, compõem os restantes lugares do "ranking". Estima-se que existam cerca de 130.000 portugueses em Macau e em Hong Kong. A grande maioria é de origem chinesa, entre 3.000 a 3.500 são oriundos de Portugal e entre 10.000 a 15.000 são os chamados macaenses.

 

Seja como for, muitos mais vão chegando. As autoridades revelaram, recentemente, que são cada vez mais os portugueses que chegam a Macau com a ânsia de procurar um porto seguro para as suas vidas e, ao contrário do que sucede com outras nacionalidades, os lusos que chegam a Macau com um contrato de trabalho passam a ser titulares do bilhete de identidade de residente não permanente.

 

Eu estou nesse pote desde 2010, altura em que cheguei ao território. Se ficar pelo menos sete anos, é bem possível que o meu bilhete de identidade passe a permanente. Uma curiosidade: o Governo paga um cheque pecuniário anual aos residentes – 4.200 patacas [420 euros] para os não-permanentes e 7.000 patacas [700 euros] para os permanentes. Caricato, não?

 

E até 2049, a coisa pode continuar a piar desta forma. O português continua, a par do cantonês, como umas das línguas oficiais – e Pequim já veio alertar para esse cumprimento à risca -, o Direito de Macau é de matriz portuguesa e o Governo pretende que Macau seja uma plataforma de ligação entre a China, Portugal e os restantes países lusófonos.

 

Aliás, recentemente, o chefe do executivo de Macau, Fernando Chui Sai On, prometeu que o Governo local “vai continuar a preservar a cultura, língua e costumes portugueses, a coexistência das características da cultura sino-portuguesa em Macau, ao abrigo da Declaração Conjunta entre Portugal e a China, e da Lei Básica de Macau”. A ver vamos!

Eu acho que

Pub

Videoclipe.pt

Audio

No novo edifício, há vários pormenores dourado com recurso a latão. Rui explica a opção dos NPS Arquitectos

Fotografia

Desde que abriram ao público, em Junho de 2015, os passadiços do Paiva foram notícia por várias vezes. No Verão passado levaram milhares às margens do Paiva,...

Aspen, o cão todo-o-terreno

Instagram // O Aspen não é um cão como os outros. Este golden retriever, natural do Colorado...