Enric Vives-Rubio

Turismo

De Chaves a Faro, um guia para conhecer Portugal à boleia da EN2

"Fazer a Estrada Nacional 2 é como fazer um filme de Portugal", diz o responsável pelo guia, lançado agora pela editora Foge Comigo

Texto de P3/Lusa • 06/03/2018 - 13:11

Distribuir

Imprimir

//

A A

A editora Foge Comigo lançou um guia extensivo sobre a Estrada Nacional 2 (EN2), onde propõe, ao longo de 500 páginas, uma viagem de norte a sul, do Douro à Ria Formosa, da Serra de Montemuro à do Caldeirão. "Fazer a Estrada Nacional 2 é como fazer um filme de Portugal, de norte a sul, das montanhas até às praias da Ria Formosa, passando pelas serras de Montemuro, de Monfurado e do Caldeirão e pelos rios Mondego, Paiva, Tejo e Zêzere", disse à agência Lusa o responsável pela editora, Armando Carvalho.

 

Segundo o coordenador do projecto, face à tipologia da estrada, que liga Chaves a Faro, o guia, com cerca de 500 páginas, trabalha cada um dos 35 concelhos por onde a estrada passa, abordando a gastronomia, doçaria e vinho de cada território, mas também o património que se encontra no percurso. "Conseguimos encontrar o fio da História de Portugal ao longo da estrada", frisou o responsável da editora, sediada em Santa Comba Dão, distrito de Viseu.

 

No guia, a EN2 é dividida em 20 etapas. Cada uma obedece "a uma unidade de paisagem" e cinco delas a cidades — Chaves, Viseu, Lamego, Vila Real e Faro —, que justificam "muito tempo de paragem". Armando Carvalho recusa, por isso, a ideia de se fazer a estrada "quase numa corrida", em dois ou três dias, de carro ou de mota. "É um guia vocacionado para quem vai tirar uns dias na Estrada Nacional 2 para a ver. Se utilizarem tudo o que está no guia vão demorar alguns meses a fazer a estrada e vão ficar muito surpreendidos com tudo aquilo que há em termos monumentais, de paisagem, de infra-estruturas de animação turística e de locais de alojamento."

 

Para cada etapa, uma época do ano

Para o responsável da Foge Comigo, o ideal será visitar diferentes pontos daquela estrada em diferentes alturas do ano: o Douro Vinhateiro após as vindimas, as praias fluviais durante o Verão ou as aldeias de xisto da região Centro no Entrudo. "O conselho é de que devem fazer mais do que uma vez a estrada — partir a viagem e fazer a estrada aos poucos, escolhendo a melhor época para cada um dos troços", referiu. No guia, está também presente uma agenda de eventos culturais e tradicionais que decorrem nos 35 concelhos abrangidos, que vão do "arrastão da grande pedra, em Agosto, em Vila Pouca de Aguiar", ao jogo do panelo com a louça de Bisalhães ou a Romaria a Cavalo, que atravessa Viana do Alentejo.

 

Também no guia surge um levantamento de "um conjunto de testemunhos da estrada", nomeadamente as casas de cantoneiros, sinalética do início do século XX e painéis de azulejo que existem ao longo do percurso, de publicidade a marcas como o Nitrato do Chile ou as Águas do Vimeiro. O guia, sem publicidade, foi financiado pela própria empresa, que conta com uma parceria com a Associação de Municípios da Rota da Estrada Nacional 2, para a distribuição da publicação por pontos de venda em todos os concelhos abrangidos pela via.

 

Para o presidente da associação e autarca de Santa Marta de Penaguião, Luís Machado, o guia "é um instrumento que vai apoiar muito a divulgação da Estrada Nacional 2, com a identificação dos pontos de interesse e da história dos municípios atravessados". De acordo com Luís Machado, a associação está a trabalhar de momento para que se avance com um projecto para a sinalética daquela via, face à descontinuidade da estrada em alguns pontos, "para que quem faça a Nacional 2 não se perca". Este não é o primeiro guia sobre esta via: em 2016, foi lançado um outro roteiro, da autoria de António Mendes Nunes.

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que