Surfista atacado por tubarão é hoje o seu maior defensor

autoria P3

// data 27/07/2017 - 09:56

// 3018 leituras

Mike Coots tinha 18 anos quando foi atacado por um tubarão tigre na praia da cidade onde reside, Kilauea, na iha do Havai, nos Estados Unidos. Cinco semanas após o ataque, Mike estava de volta às ondas. "A pior parte não foi perder um membro", disse o surfista ao blogue do instagram. "O pior foi estar fora de água." Sem medo, Mike enfrentou a possibilidade de um novo encontro com um tubarão em cima de uma prancha de surf; a sua história de resiliência, intrepidez, impressionou uma organização californiana dedicada à preservação do tubarão, que o contactou no sentido de torná-lo num porta-voz da defesa do animal. "Antes disso não fazia ideia do que se passava no oceano, no que concerne a pesca ilegal ou a 'shark finning' [, a remoção das barbatanas de tubarão]. Os tubarões desempenham um papel fundamental no equilíbrio do ecossistema marinho. Ele está no topo da pirâmide. Qualquer cientista ou biólogo poderá confirmar que retirá-lo dessa posição trará consequências muito negativas." Na China, a sopa de barbatana de tubarão é uma iguaria, motivo por que o "shark finning" é prática comum por quem tem interesse na sua comercialização. Os pescadores caçam os tubarões, cortam-lhes a barbatana superior e soltam-nos. O animal, nessas circunstâncias, demora cerca de dois dias a morrer - é uma morte lenta e dolorosa que poderia ser evitada caso existisse maior consciencialização para o problema. "A saúde do oceano é muito mais importante do que uma tigela de sopa", explica Mike à Red Bull. "É a mentalidade que tem de mudar, não apenas a lei." Há quem não compreenda como Mike pode ser defensor do seu atacante, mas ele explicou o motivo à Red Bull. "Acho que não faz sentido. Se tens oportunidade de fazer despertar consciências sobre a situação de uma espécie que se encontra em extinção, então o melhor é agarrar a oportunidade e criar algo bom a partir de algo mau." Mike chegou a lançar uma campanha de crowdfunding que visava a venda de um acessório para pranchas de surf que tinha como objectivo a protecção do tubarão, em caso de ataque. Além de tudo, Mike adora o facto de o tubarão já ter sobrevivido a várias ameaças de extinção. "Eles viveram além dos dinossauros. São mais antigos do que as árvores. A Terra já foi arrasada, houve espécies que desapareceram para sempre e o tubarão manteve-se, sobreviveu a isso tudo. Acredito veementemente que estão cá por um motivo." Mike continua a surfar com recurso a uma prótese de fibra de vidro. "Não é igual, exige algum esforço de adaptação. Mas antes isso do que ficar fora de água."

Eu acho que