Delta Cultura

Crónica

Consegui mudar o mundo

Fui viver três meses para Cabo Verde para poder colaborar com uma organização local. O voluntariado deu-me a sentir novas formas de amar, sorrir e acreditar. Ensinou-me a abraçar com a alma e a pensar com o coração...

Texto de Manuel Clemente/Gap Year Portugal • 27/01/2017 - 17:33

Manuel sofre de curiosidade compulsiva e é autor do blogue Semtimenos

Distribuir

Imprimir

//

A A

Demasiado novo para assentar e velho demais para grandes aventuranças — era isto o que a sociedade me dizia relativamente aos meus 26 anos, apesar de não ser isso que eu sentia. O meu trajecto, até então, tinha sido o mais standard possível. Terminei o 12.º ano, porquê? Porque é o que toda a gente faz. Tirei uma licenciatura, porquê? Porque é suposto. Fui trabalhar, porquê? Bem, acho que já sabes a resposta. Foi todo um encadear de “decisões” em que nunca parei para senti-las e verificar, até que ponto, poderiam servir o meu propósito de vida. Mal ou bem, acabei por seguir um caminho já (demasiado) trilhado. Ansiar pelas 18h, pela sexta-feira e pela quinzena de férias em Agosto. Aguardar religiosamente pelo fim do mês. Despender imenso tempo com pessoas que não nos inspiram, só atrapalham. Após cinco anos de mercado de trabalho, cheguei à conclusão de que a vida não podia ser só isto. Tendo constatado tal evidência, não podia ficar de braços cruzados.

 

Tinha o inimigo identificado, precisava agora de ir à guerra. Nesta batalha, ouvia-se do outro lado da trincheira: “Manel, a vida é mesmo assim”. Assim como? Isso está escrito onde? Nunca me souberam explicar. Desconfio que me estavam a mentir. A vontade era muita, mas as alternativas escasseavam. Porém, certo dia, tudo isso mudou. Num jantar com amigos, alguém soltou para a mesa o Para Onde. Explicaram-me que se tratava duma plataforma que fazia a ligação entre potenciais voluntários e associações de todo o mundo. De imediato, os meus olhos brilharam. Eureka! Senti eu cá dentro. Parecia que tinha descoberto a pólvora! Nesse mesmo dia, fui para casa e comecei a deliciar-me com os inúmeros projectos por todo o mundo.

 

Ora bem, estava neste momento com o meu problema identificado e na posse duma potencial solução. O que faltava agora? Fazer acontecer! Colocar as ideias na prática é, sem dúvida, um enorme desafio. Principalmente no meu caso, que tencionava despedir-me para poder estar fora por um longo período de tempo. Foi neste momento que comecei a ser assaltado por questões, medos, receios e inseguranças. Estava prestes a dar em doido. Esta era uma luta de um homem só, ninguém me podia ajudar. Desisti de procurar respostas. Aí percebi que a resignação não é para os fracos, mas sim para aqueles que estão dispostos a pensar com o coração. Acalmei-me e parei de resistir. Dei as rédeas à intuição e nela confiei cegamente.

 

No último mês desse ano tomei a primeira decisão: despedir-me. Chegava de acrescentar anos à idade achando que estava a viver. Era emergente emergir e começar a fazer cócegas à vida. A magia da folha em branco, do vazio e do incerto! Estava apaixonado e leve, pronto para criar as bases que me levariam à melhor decisão de todas. Assim, a ideia do voluntariado internacional estava em banho-maria, mas não por muito mais tempo. Decidi ir para Cabo Verde. 

 

Fui viver três meses para o Tarrafal para poder colaborar com uma organização local. A Delta Cultura e as suas crianças receberam-me de corações abertos. Que energia incrível! Graças a eles pude viver o amor ao próximo, a mim mesmo, a tudo e a todos. O voluntariado nunca me prometeu nada e, ainda assim, conseguiu tirar-me e oferecer-me imenso. Desviou-me dum caminho que já não era meu e que me preenchia de tudo um pouco, menos daquilo que importa. Deu-me a sentir novas formas de amar, sorrir e acreditar. Ensinou-me a abraçar com a alma e a pensar com o coração... Percebi que para ganhar, às vezes é necessário desistir. Abdicar daquilo que já não nos serve retira-nos peso e facilita-nos o voo. Constatei também o quão crucial é respeitar a nossa intuição. Nós carregamos uma sabedoria tremenda! Dar-lhe o melhor uso é a nossa missão. Só depois disto, fui capaz de ver o mundo mudar a cada gesto meu. Descobri que todos somos zés-alguéns. Cada um de nós é capaz de se tornar alguém que melhora a vida do próximo. Por fim, hoje sei que sou capaz de mudar o mundo. Pelo menos o meu, eu consegui transformar. Portanto, se sentes, não hesites.

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que