Orienta-te Redes Sociais

João Barreto

Sexta de Bicicleta

Site

Facebook

Todas as semanas será seleccionado um utilizador de bicicleta, participante no Sexta de Bicicleta, que responderá a um conjunto de perguntas de resposta curta. A mini-entrevista será acompanhada de uma fotografia da pessoa com o seu meio de transporte preferido: a sua bicicleta.

João Barreto

MUBi

A Sexta de Bicicleta de Ana Poças

Vendeu o carro e passou a usar a bicicleta no dia-a-dia — não precisa de procurar estacionamento e quase sempre chega a horas. Ana Poças trabalha no Laboratório Nacional de Engenharia Civil e ainda usa a bicla que a avó que lhe deu quando tinha 10 anos

Texto de MUBi • 29/11/2013 - 17:49

Distribuir

Imprimir

//

A A

A Ana pedala diariamente para o trabalho. A viagem relaxante também é útil para ir reflectindo sobre o doutoramento que faz no Laboratório Nacional de Engenharia Civil. Uma da vantagens óbvias é não ter de andar à procura de estacionamento e conseguir chegar quase sempre a horas. Vive em Lisboa mas ficou fã da bicicleta na Holanda. Antes disso deslocava-se de carro na maior parte dos trajectos. Já em Portugal, depois de ter ido a uma Massa Crítica, vendeu o carro e a bicicleta passou a fazer parte do seu dia-a-dia. Espera um dia ter filhos e ir viajar com eles de bicicleta.

 

De que formas usas a bicicleta à Sexta-Feira?

Utilizo a bicicleta principalmente para ir trabalhar e para deslocar-me em Lisboa, seja para ir ter com amigos, para ir a um café ou para fazer compras. Não o faço exclusivamente à sexta-feira, mas esse dia tornou-se mais especial desde a iniciativa da MUBi do “Sexta de Bicicleta".

 

O que muda na tua vida nesse dia?

A sexta-feira é um dia especial para todos porque no regresso entramos no fim-de-semana. Mas desde que surgiu a iniciativa da MUBi do “sexta de bicicleta” que sinto um incentivo maior em levar a bicicleta para o trabalho e, ao final do dia, em ir beber um café ou jantar a um sítio especial. Também gosto de ver bicicletas passar e de imaginar que os outros ciclistas estão a ter uma sexta “diferente”.

 

Que tipo de bicicleta ou equipamento?

A bicicleta que utilizo mais frequentemente foi-me dada pela minha avó quando tinha 10 anos. Quando decidi utilizá-la como meio de transporte, fiz-lhes as devidas transformações e agora parece-se com uma “pasteleira”. Tenho ainda uma dobrável que trouxe da Holanda como recordação e mais recentemente comprei uma bicicleta de estrada. É verdade que são muitas bicicletas, mas só o que não gasto com o seguro, selo e em gasolina compensa-me.

 

Alguns mitos (sobre a utilização da bicicleta) que tenhas vencido?

Em Lisboa venci o mito de que andamos todos os dias colina acima, colina abaixo. A verdade é que Lisboa tem muitos sítios planos e, na maioria dos casos, os trajectos não incluem mais do que uma ou duas subidas. Também aprendi que, com uma bicicleta adequada e quando andamos mais frequentemente de bicicleta, as subidas deixam de ser um problema. Para além disso, normalmente há caminhos alternativos e que são mais simpáticos para as pernas.

 

O que poderia melhorar nos percursos que realizas?

Nalgumas partes do percurso, seja pelas descontinuidades das ciclovias, seja pelas avenidas em que a velocidade dos automóveis está acima dos 50 km/h, vejo-me obrigada a escolher fazer alguns desvios pelos passeios. Estes desvios, ainda que com a bicicleta na mão, são invasivos para peões e incómodos para os ciclistas.

 

Uma pessoa da praça pública que gostarias de ver a andar de bicicleta e porquê?

Na altura em que foi lançado o programa bikebuddy, a MUBi ofereceu-se para acompanhar António Costa, presidente da Câmara Municipal de Lisboa, no seu novo trajecto (na altura em que foram feitas as obras no Intendente). Sendo que isso não chegou a acontecer, imagino que por falta de oportunidade, sempre foi uma das pessoas que eu gostaria de ver andar de bicicleta regularmente por ser presidente da Câmara de Lisboa.  

 

O que tens a dizer a quem diz que andar de bicicleta na tua cidade é impossível?

Pergunto se já experimentaram e se não gostariam de fazer a experiência.  É que muitas das pessoas que não experimentaram andar em Lisboa, fazem-no naturalmente noutras cidades europeias que, apesar de não terem declives, têm imensos peões a circular, eléctricos e autocarros, o que pode requerer maior atenção por parte de um ciclista que não pedala regularmente na cidade. Sinceramente, nunca considerei que fosse impossível.

 

Um momento em que te sentes mesmo bem a andar de bicicleta.

Acho que me sinto sempre bem a andar de bicicleta, até à chuva. Mas gosto especialmente de ir de bicicleta para um jardim de Lisboa, para depois parar, ler um livro e beber um café.

Eu acho que

Pub

Videoclipe.pt

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Aplicação

Basta uma notificação com um alerta de SOS para pôr todos os utilizadores da Pet Finder, num raio de 60 quilómetros, a ajudarem-te a encontrares o teu animal...

A realidade nua e crua de um parto...

Fotografia // "Alerta: um parto é acontecimento bonito, mas é também turbulento e...