Orienta-te Redes Sociais
Susana Almeida Ribeiro, ex-jornalista do Público, emigrante e mãe

Susana Almeida Ribeiro, ex-jornalista do Público, emigrante e mãe

Excerto

"Invejo aqueles que ainda não viram a série. Têm à sua frente cinco temporadas de “filet mignon” televisivo. Lembro-me que uma vez comentei com um antigo editor meu, à saída do jornal, que ia para casa ver a saga completa da “Guerra das Estrelas”. Nunca tinha visto. Ele embasbacou-se para mim e limitou-se a dizer: “Quem me dera!”. Percebo agora o que ele queria dizer com aquilo."

DR

Crónica

O “Breaking Bad” acabou. Longa vida ao rei! (texto sem spoilers)

"Breaking Bad" é um lembrete: "Go bad or go home". Em português, e por outras palavras: se não vives com vontade não vives de todo

Texto de Susana Almeida Ribeiro • 07/10/2013 - 11:15

Distribuir

Imprimir

//

A A

Estou a cumprir o luto. Acabou o “Breaking Bad”, para mim a melhor série de televisão da última década e talvez de sempre (quem me quiser contrariar pode usar a caixa de comentários). No recente domingo eleitoral, milhões de portugueses aguardavam o desenlace das autárquicas e eu a remoer o destino de Walter White. A série transformou-se num culto religioso, a ponto de o reputado crítico de televisão Alan Sepinwall ter insistido em ver o antepenúltimo episódio da série imediatamente depois de lhe terem removido o apêndice. Deitado na cama do hospital, mal disposto e drogado com analgésicos, mas com os dois olhos postos na TV. É isto que o “Breaking Bad” faz a uma pessoa.

 

Invejo aqueles que ainda não viram a série. Têm à sua frente cinco temporadas de “filet mignon” televisivo. Lembro-me que uma vez comentei com um antigo editor meu, à saída do jornal, que ia para casa ver a saga completa da “Guerra das Estrelas”. Nunca tinha visto. Ele embasbacou-se para mim e limitou-se a dizer: “Quem me dera!”. Percebo agora o que ele queria dizer com aquilo.

 

“Breaking Bad” é uma série épica. A começar pelo isco: um professor de Química de liceu, apagado e acachapado, é diagnosticado com cancro de pulmão. Para pagar os tratamentos médicos e providenciar um futuro para a sua família decide começar a fabricar metanfetamina. É a partir daqui que tudo estala. À letra, e ecoando o título, o Mr. White vai ganhando velhacaria. De capacho passa a gadanha. Mr. White&Heisenberg, como Jekyll&Hyde. Sabendo agora que a AMC (o canal de TV que apostou na série após recusas de outras estações) queria como protagonista o John Cusack ou o Matthew Broderick percebo como foi majestático que tenham escolhido o Bryan Cranston. E também o Aaron Paul para o papel de Jesse Pinkman, "bitch"! Todo o elenco, de resto, é sublime. Rijos, secos mas vivos. Como o deserto em torno do palco natural da série: Albuquerque, Novo México.

 

O criador da série, Vince Gilligan, é actualmente um guru para todos os guionistas e aspirantes a guionistas. Como é que alguém cria uma série sublime inspirada numa insípida notícia de jornal? Os diálogos vão directos ao osso, não há palavras a mais, não há equívocos. Toda a gente diz o que precisa de dizer. Todas as acções têm uma justificação e não há pontas soltas. Há azedume, negrura e vingança. Há co-dependência e redenção. Recentemente entrevistado pela “Variety”, o até aqui apagado Gilligan cita o escritor francês Gustave Flaubert: “Sê metódico e ordeiro na tua vida, como um burguês, para que possas ser violento e original no teu trabalho”. Feito √.

 

Em última análise, "Breaking Bad" é um lembrete: "Go bad or go home". Em português, e por outras palavras: se não vives com vontade não vives de todo.

Eu acho que

Pub

Videoclipe.pt

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Ensino

Projecto internacional Sachi2, coordenado em Portugal pelo Porto4Ageing, da Universidade do Porto, está a testar o impacto de projectos de educação...

Maria vive para os Animais de Rua

Perfil // Advogada, activista e presidente de uma associação de protecção de animais,...