Orienta-te Redes Sociais
Calita Fonseca

Calita Fonseca, mãe, blogger e mais não sei o quê

DR

"Couraçado Potemkine"

Crónica

O importante, ao que tudo indica, é o que menos interessa

Gosto do Sherlock Holmes, como já se percebeu. E gosto do Luiz Pacheco, ou melhor, ando um bocado obcecada com ele, desde que me foi apresentado

Texto de Calita Fonseca • 23/06/2012 - 11:23

Distribuir

Imprimir

//

A A

“Para um homem que ama a arte por si só é das suas manifestações menos importantes e mais básicas que frequentemente retira o maior prazer”, disse o Sherlock Holmes (o melhor de todos os tempos) ao seu caro Watson, um dia destes na RTP Memória.

 

Mandei parar a série (já não se pode chamar “ver televisão” a isto que fazemos em frente ao televisor) para escrever a frase e como não era imediatamente perceptível quis ouvi-la de novo para tentar perceber se a tradução estava bem feita. Pareceu-me que sim. A minha filha disse que não tinha percebido. Eu disse que era óbvio. Ela pediu-me exemplos (que mania!) e eu inventei qualquer coisa. Ela disse que era ridículo. Talvez. Mas o Sherlock Holmes tem razão. Como sempre.

 

Não me cabe a mim identificar as manifestações artísticas menos importantes, mas esta ideia de que as coisas mais básicas e menos importantes são as que nos dão maior prazer, vai, parece-me, ao encontro de uma outra ideia: são as coisas mais prosaicas que definem a nossa vida, como o preço do pão (todos temos de comer) e do papel higiénico (todos temos de defecar).

 

Eu não sou tão radical como a Helena Sacadura Cabral, que disse numa entrevista não gostar nada de intelectuais, porque não tem interesse nenhum em saber o que dizem as pessoas que não sabem quanto custa um litro de leite. Eu posso dizer que o que consumimos cá em casa, custa 57 cêntimos, mas tive de ir confirmar o preço, admito, porque não sabia ao certo.

 

Não sou tão radical, dizia, porque eu gosto de intelectuais. De alguns intelectuais, então, gosto mesmo muito. Gosto do Sherlock Holmes, como já se percebeu. E gosto do Luiz Pacheco, ou melhor, ando um bocado obcecada com ele, desde que me foi apresentado neste curso de literatura.

 

E o curioso (não vamos falar da vergonha que é nunca ter ouvido falar dele, ou ter ouvido e não ter dado importância) é que foram as coisas menos importantes (lá está) que ouvi dele, como o facto de ser hipocondríaco e bêbado, que me despertaram a atenção.

 

Aliás, tenho tendência a registar os aspectos aparentemente menos importantes das coisas: da Broadway, quando tive a incrível felicidade de assistir ao musical “Les Miserables” (um bem haja à Escola Secundária Eça de Queirós), lembro-me das senhoras a entregar as toalhas de mão, no quarto de banho, com um pinça, como as que se usam para tirar bolos das vitrinas; do livro de Cortázar, Rayuela, do nome do filho da Maga; e do "Couraçado Potemkine" lembro-me de um grupo de amigos a ver o filme, numa sala pequena com um televisor e um dvd, fascinados com os “efeitos especiais”.

 

Ou seja, se da arte retiramos prazer apenas, ou sobretudo, das suas manifestações mais básicas, das vivências os detalhes sem importância e na vida o que conta são os aspectos mais prosaicos, porque raio continuamos à procura da grandiosidade?

Eu acho que

Pub

Videoclipe.pt

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Tecnologia

Até ao fim de Outubro, os utilizadores da aplicação Juntar a Junta podem submeter sugestões para a melhoria das suas freguesias. Em Novembro, as ideias vão ser...

Um designer a jogar às escondidas com...

Vídeo // Fugir para não ser encontrado e para não deixar a cidade "matar a criança que...