Televisão

A RTP está a encher as noites de séries portuguesas e daqui a cinco anos quer exportá-las

"Aqui tão longe" estreia-se esta terça-feira no horário nobre da estação pública, que tem mais três novas séries previstas para os próximos meses

Texto de Joana Amaral Cardoso • 29/03/2016 - 10:22

Distribuir

Imprimir

//

A A

"Aqui tão longe", a série que a RTP1 estreia esta terça-feira, é sobre a distância, o medo, a crise, mas é também um passo inicial num caminho cujo destino final Virgílio Castelo vê com optimismo: “É possível dentro de cinco anos estarmos a fazer as primeiras séries para conseguir exportar." Como alternativa às novelas das privadas, a estação pública chega em 2016 à já longa história internacional do filão das séries, com uma aposta de produção de quatro títulos para o horário nobre.

 

O objectivo da exportação poderá ser atingido nesse prazo, diz ao PÚBLICO Virgílio Castelo, consultor de ficção nacional da RTP, se a estação conseguir, por ano, "fazer nove séries de fluxo e mais duas ou três históricas, a exibir enquanto evento". “Tal como a produção portuguesa encontrou uma maneira de produzir novelas compatível com os nossos meios e com qualidade, com os preços que temos, vai ser a mesma coisa com as séries”, defende sobre a possibilidade de se encontrar “uma especificidade artística susceptível de interessar ao resto do mundo”.

 

É uma operação que arranca, para já, com cinco títulos — o original português "Aqui tão longe" sucede a "Terapia", adaptação de uma série israelita, e vêm também aí as reclusas de "Dentro" ou a política dos "Boys", além da fantasia juvenil de "Miúdo/Graúdo". A partir de Setembro outras estreiam-se novas séries, “de autores diferentes, produtoras diferentes, temas diferentes”.

 

Para dar início a este ciclo, a RTP procurava uma série “com mulheres como protagonistas e que tivesse a ver "com o Portugal de hoje”, explica ao o criador de "Aqui tão longe", Filipe Homem Fonseca. A ideia de distância, “entre o que queremos e o que conseguimos ter, entre as pessoas por causa da emigração, entre a segurança e a aventura, entre a segurança e o terrorismo”, foi o seu ponto de partida para uma “série negra”, um drama em 32 episódios, pensado para duas temporadas de 16 que serão exibidas uma a seguir à outra, mas que na trama são separadas por oito meses.

 

Escreveu com Nuno Duarte, Luís Filipe Borges, Pedro Goulão e Tiago R. Santos “um Portugal imaginado e muito próprio de famílias” como os Torres, encabeçados pelos actores Fátima Belo e Miguel Damião, e assustados por um acidente que pode ter sido um atentado, pelos revezes que podem salvar ou pôr em risco a protagonista Cristina (Filipa Areosa) e a sua relação com João (José Mata). Aviões, emigração, desemprego, terrorismo. “É uma das frases que mais se ouve – ‘Onde é que estamos seguros agora?’”, diz o autor.

 

A série estreia-se às 22h desta terça-feira, ocupando o lugar da série que quase se transformou em novela, a popular "Bem-vindos a Beirais" (mais de 600 episódios ao longo de mais de dois anos de sucesso de audiências). Virgílio Castelo considera que com os projectos actuais da RTP se estão a “criar as fundações para uma ficção que seja alternativa e complementar, como pede o contrato de concessão de serviço público” e garante: “Vamos fazer séries que são mesmo séries, em que em cada episódio acontece uma história diferente, não novelas disfarçadas."

 

Adeus, monocultura?

A RTP quer povoar as noites de séries numa altura em que mais produções estrangeiras, sempre com o domínio norte-americano, e mais formas de lhes aceder existem em Portugal. Quando há muito elas são o elogiado terreno onde parecem estar os grandes talentos e boa parte das audiências – em Portugal, os programas mais vistos são as novelas da TVI e da SIC, mas os canais de séries estão entre os mais vistos e as séries dominarão o consumo de TV em diferido (gravações e acesso a programas transmitidos nos últimos dias).

 

Chega-se tarde a esta aposta de substituir o que em tempos o actual administrador da RTP Nuno Artur Silva chamou de “monocultura da telenovela” por minifúndios? “Não posso dizer que a RTP chega atrasada, ou numa terceira ou quarta época dourada das séries, porque nunca fizemos séries” originais de forma sistemática, responde Virgílio Castelo. Filipe Homem Fonseca já trabalhou como argumentista em séries como "Herman Enciclopédia", "Contra Informação", "Bocage" ou "Paraíso Filmes", e diz não se lembrar “de nenhum ano em que estreassem quatro séries no mesmo canal”. Reconhece que a aposta poderia ter chegado mais cedo mas, sendo “tarde, não é tarde de mais”.

 

Na programação, "a RTP andou perigosamente a mimetizar o que as privadas faziam”, critica Castelo, mas no futuro poderá fazer com as séries o que fez com as novelas”. “A RTP de um modo pioneiro e, depois, as privadas acabarão por ter de fazer o mesmo, mais cedo ou mais tarde." O consultor para a ficção nacional do canal, que já ocupou o mesmo cargo na SIC e foi também director-geral da NBP, produtora associada ao "boom" das novelas em Portugal, lembra os dois Emmys Internacionais para telenovelas portuguesas e a desconfiança inicial quanto à produção desse formato em Portugal – “só foi possível porque houve hipótese de errar, de tentar e falhar”. Fazer, muito. Agora, defende, “não podemos parar de produzir” séries. Para afinar a “carpintaria dramatúrgica” e conseguir histórias que chamem o espectador – esse é, para Virgílio Castelo, o principal problema da ficção portuguesa.

 

"Boys", de Tiago Guedes, será uma sátira sobre os bastidores da política com Filipe Duarte como protagonista; "Miúdo/Graúdo", de 19 episódios, é uma fábula mais juvenil, a exibir entre o Europeu de Futebol e os Jogos Olímpicos, sobre um rapaz (o actor Henrique Melo) que viaja no tempo e regressa ao presente com o seu “eu” adulto, uma criação de Pedro Salomão e Paula Lobato. Já "Dentro", protagonizado por Vera Kolodzig, é da autoria de Lara Morgado, e chegou através das consultas de conteúdos de 2014 – a estação pública recebe duas vezes por ano propostas de produtores independentes para financiamento directo ou através dos programas do Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA). Algumas das séries da RTP para 2017 já terão apoios do ICA. 

 

Lê o artigo completo no PÚBLICO

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que