Orienta-te Redes Sociais
Paulo Santos Rodrigo é arquitecto e escreve regularmente para o Ecrã

Paulo Santos Rodrigo é arquitecto e escreve regularmente para o Ecrã

Para Kristen Wiig foi o ano de "Bridesmaids" DR

Mario Anzuoni/Reuters

Tina Fey

Crónica

Uma “lady” na mesa, uma comediante na cama

Diz Joan Rivers: “Os homens acham as mulheres com piada uma ameaça. E perguntam 'vais ser engraçada na cama?'"

Texto de Paulo S. Rodrigo • 07/01/2012 - 15:24

Distribuir

Imprimir

//

A A

Nas suas muitas taras e manias, Christopher Hitchens dizia que as mulheres não tinham humor. O humor era desígnio da natureza. Uma herança genética para a procriação, na lógica inabalável de que "quem arrisca a vida para trazer a este mundo uma criança não estará muito interessada em frivolidades".

 

Conspirativamente, fora tomado pelas sufragistas e tornado num sinal de inteligência: as mulheres estariam a ser instruídas pelas mães para usarem o humor como uma arma, no combate feroz pelo poder. E, finalmente, porque "da natureza", e derivando, grande parte das piadas masculinas, de actividades "reprodutoras" ou "excretoras", não estaríamos a jogar "limpo" com as mulheres. Esqueceu-se que a primogénita piada acontece quando Sara, mulher de Abraão, chama ao seu filho Issac, em hebreu "de rir", por ter nascido tinha ela 100 anos. Temo-la como a deixa fundadora do humor judaico e o seu valor comercial tem sido directamente proporcional ao seu chauvinismo (o humor é, para Hitchens: “hefty or dykey or Jewish”, nas suas palavras, para não ferir susceptibilidades).

 

Pelos anos, houve “desbragadas” que contrariaram esta opinião: Mae West, Carole Lombard, Lucille Ball, Phyllis Diller, Carol Burnett, Jean Carroll. Foram as primeiras heroínas; em desfavor delas, o facto de serem mais actrizes do que comediantes (fora West e a genial Phyllis Diller). É o argumento maior para tantos como Hitchens, para quem, fora a questão das “sexualidades” (DeGeneres, Rosie O'Donnell, Wanda Sykes, Sandra Bernhard), o Humor é coisa de homens e para as mulheres terá sempre qualquer coisa de infantil, irresponsável ou repulsivo.

 

As fábricas que, em tempos, se encheram de patrióticas mulheres que fabricavam as armas com que, e em que, os seus homens combatiam, são hoje Produtoras que alimentam o faminto mercado dos canais por cabo, cuja fagia não olha a sexos. À falta de homens chamam-se as mulheres - e quem o diz é a intocável Nora Ephron.

 

Mas a elas não lhes bastou vestir as calças. Compraram a fábrica. As absolutamente fabulosas Jennifer Saunders e Joanna Lumley regressaram este Dezembro para os 20 anos da série e Sarah Polley vem aí com "Take This Waltz". Para Kristen Wiig foi o ano de "Bridesmaids". Não passamos sem Amy Poehler em "Parks and Recreation" e Christina Applegate escreve e produz "Up All Night". Chelsea Handler, Sarah Silverman... e é isso. Estas mulheres não só “aparecem”, também escrevem, produzem e realizam.

 

Tina Fey, em "Bossypants", aborda a sua vontade de criar uma via protegida para que as mulheres possam singrar sem sangrar e "30 Rock", que regressa à NBC dia 12, representa isso. A mesma vontade é mostrada por Mindy Kaling (Kelly Kapoor em "The Office", que escreve, produz e dirige) no seu livro: o perfeito manual para solteiras. Fazem questão da sua sensualidade e com graça. Isso assusta não só Hitchens, como todos os homens.

 

Diz Joan Rivers: “Os homens acham as mulheres com piada uma ameaça. E perguntam 'vais ser engraçada na cama?'"

Eu acho que

Pub

Videoclipe.pt

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Tecnologia

Investigadores da Universidades de Trás-os-Montes e Alto Douro e do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência desenvolvem...

O corpo de quem entrega a alma ao...

Fotografia // Estes são os corpos de quem entrega a alma à música techno na cidade de...