Viagem

Livro e documentário sobre a Patagónia lançados em Gondomar

O livro de fotografia e o documentário Patagónia — A Ponta do Mundo é apresentado esta sexta-feira, 3 de Novembro, no auditório de Gondomar

Texto de Lusa created; ?> •


O produtor português Paulo Ferreira, que em 2016 recebeu prémios num festival considerado os "Óscares" dos documentários independentes, lança esta sexta-feira, 3 de Novembro, um livro de fotografia com imagens da Argentina e do Chile feitas com a técnica de timelapse.

 

O lançamento de Patagónia — A Ponta do Mundo acontece no auditório de Gondomar, pelas 21h30, e na mesma ocasião Paulo Ferreira vai estrear o documentário que serve de base a este livro. "O objectivo é que as pessoas olhem para a natureza e a protejam. Na minha aventura [referindo-se à viagem que serve de base às imagens] vi locais de rara beleza. E esses locais são cada vez mais reduzidos no mundo inteiro", disse à agência Lusa.

 

O produtor explicou que este não é um documentário standard, mas sim "um vídeo motivacional" que "apela às pessoas para que olhem para a natureza e tomem consciência dos efeitos da poluição e das alterações climáticas". Paulo Ferreira é técnico de informática e fotógrafo, mas os tempos livres são dedicados quase por inteiro à exploração do timelapse, uma técnica que consiste em sequências de fotografias reproduzidas em vídeo.

 

Patagónia — A Ponta do Mundo nasce depois de Paulo Ferreira ter realizado uma campanha de crowdfunding, na qual pediu cerca de metade do valor que necessitava para realizar o projecto — 3500 euros —, sendo que o restante foi um investimento pessoal. Contudo, um "azar" fê-lo disparar o orçamento em poucos dias, conforme contou à Lusa. "A água de um glaciar engoliu-me uma câmara de perto de 4000 euros. Pensei mergulhar e recuperá-la, pensei desistir, mas afinal consegui e agora posso mostrar estas maravilhas ao mundo com a expectativa de que percebam e respeitem este trabalho, esta visão e a mensagem", disse.

 

Nos últimos dez anos, Paulo Ferreira realizou vídeos focados no Parque de Natureza de Noudar, Parque Natural do Alvão, Parque Nacional da Peneda-Gerês, rio Douro Internacional, Marvão, Gondomar e Porto. É presença frequente em concursos nacionais e internacionais. Em 2016, o filme Nordlys — the northern lights, dedicado às auroras boreais, foi distinguido com dezenas de prémios internacionais e um "Óscar" no International Independent Documentary, que se realiza em Los Angeles, EUA, nas categorias de melhor documentário e melhor fotógrafo de timelapse.