Curta-metragem

Alfaião: esta aldeia é mais do que apenas “o burrinho e o velhinho”

Um projecto de mestrado levou André pelos caminhos de Portugal. Foi até Trás-os-Montes e voltou com histórias e um documentário para correr o mundo. Mas não foi o único atraído pela aldeia

Texto de Pedro Castro Esteves created; ?> •


Quando terminou a rodagem de um documentário na aldeia de Alfaião, perto de Bragança, André Rodrigues deixou Trás-os-Montes com uma ideia fixa: colocar aquela povoação no mapa. Isto foi em Janeiro de 2016. Um ano mais tarde, e após a estreia em Maio de 2017, em Viana do Castelo, Alfaião já passou pela Estónia e vai atravessar o Atlântico. A curta documental integra a programação da 7.ª edição do FENACIES — Festival de Cinema Estudantil, que acontece em Montevideu, no Uruguai, entre 25 de Setembro e 1 de Outubro.

 

Alheiras para encher, ovelhas para pastar, pão para amassar, animais para caçar, mas também convívios no café para jogar à sueca, jovens a dar pontapés na bola, a estudar e a jogar computador: a aldeia também é isto. Das muitas janelas e povoações que André poderia ter escolhido para espreitar, escolheu Alfaião para finalizar o mestrado em Imagem e Som na Universidade Católica Portuguesa. “Antes de partir para o projecto, não conhecia a aldeia. Pré-seleccionei algumas, mas quando contactei os presidentes de junta, o de Alfaião mostrou logo entusiasmo”, recorda.

 

São 13 minutos de documentário, em que cerca de um terço da população da aldeia (200 pessoas) aparece no ecrã. O trabalho obrigou André Rodrigues e o amigo Manuel Silva, responsável pelo som, a adoptarem a condição de forasteiros durante nove dias — tempo de filmagem na companhia da população. O carácter contemplativo da curta-metragem obrigou a uma imersão no quotidiano das gentes daquele pequeno pedaço de terra a nordeste. As horas passadas a gravar e o contacto directo com os protagonistas fizeram com que “as pessoas esquecessem a câmara” e se libertassem.

 

“A aldeia não é só o burrinho e o velhinho”, avisou o presidente da junta de Alfaião, António Baptista, aquando do primeiro contacto com o realizador. Concordou em receber os jovens desde que retratassem “como se vive realmente na aldeia e nesta região de Portugal”, conta ao PÚBLICO. Para que a rodagem fosse o mais natural possível, António Baptista não avisou a população da chegada de André.

 

Uma aldeia habituada a forasteiros

Há um momento no documentário em que uma aldeã vai rezando à medida que coloca o pão no forno, para que cresça. A poucos metros de distância está a câmara do realizador. É um dos poucos planos de Alfaião em que a voz humana se sobrepõe aos sons naturais e animais que peneiram a aldeia que dá nome à obra. Algo normal, afinal, como conta André: “a aldeia é a protagonista da história”.

 

Esta não é a primeira vez que Alfaião atrai aqueles que procuram inspiração e até oportunidades longe do ambiente citadino. A aldeia tinha sido notícia recentemente, depois de quatro jovens empreendedores terem deixado Braga para lá se fixarem. “Vieram do litoral”, conta o presidente da junta. “Dois deles são um casal e até já têm um filho, que nasceu cá. Arrendaram casa e ficaram aqui.”

 

André encontrou esta história enquanto fazia pesquisa de aldeias. Através do contacto durante as filmagens, um presságio. “Disseram-me que eles [os jovens de Braga] colocaram Alfaião no mapa de Portugal e que eu ia colocar Alfaião no mapa do mundo”, conta o jovem realizador ao P3.

 

Recolher vontades para depois mostrar

É o próprio realizador quem submete o trabalho a festivais. E esta não é a primeira vez que uma rodagem de André é reconhecida pelos pares. Antes de ir para Alfaião, o jovem de Leça do Balio debruçou-se sobre o virtuoso da guitarra portuguesa Álvaro Martins e o trabalho valeu-lhe o Prémio Latino para Melhor Curta-Metragem Portuguesa.

 

Antes de Alfaião ser lançado pelo mundo, o documentário fez uma pequena paragem perto do local que lhe deu origem. No auditório Paulo Quintela, uma sala de cinema em Bragança, o trabalho de André foi exibido àqueles que enchem a tela durante a obra. Foi, pela certa, a primeira vez que se viram no grande ecrã.