Tecnologia

Biklio, uma “app” que te recompensa por usares bicicleta

Para já só está disponível em Lisboa, mas chega em breve a Braga e Torres Vedras. Agora já podes trocar exercício físico por benefícios em vários negócios

Texto de Pedro Castro Esteves created; ?> •


E se quando quiséssemos um café pudéssemos pagar com pedaladas? Ou uma bola de gelado extra naquela gelataria da zona? O Verão está a acabar, mas se para beber um copo de limonada fresca bastasse pôr um smartphone no bolso, pedalar até a um estabelecimento e mostrar no ecrã a confirmação da viagem?

 

A Biklio, uma aplicação gratuita que “detecta quando os utilizadores estão a andar de bicicleta”, tornando-os elegíveis “para benefícios" na zona de destino da mesma, já está disponível para IOS e Android, mas só terá o lançamento oficial a 21 de Setembro, em Lisboa, no âmbito da Semana Europeia da Mobilidade. Lisboa é mesmo a primeira cidade europeia a usufruir do projecto. Cidades de Itália, Luxemburgo, Bulgária ou Holanda serão as próximas. Em Portugal, em breve, Braga e Torres Vedras vão juntar-se à capital neste projecto.

 

“Já existem aplicações com um conceito semelhante, que dão benefícios consoante o exercício físico realizado, mas desta forma, com benefícios para lojas da zona, é uma novidade”, adianta João Bernardino, gestor de produto da Biklio, ao P3. Mas como é que a aplicação sabe que vamos mesmo de bicicleta e não estamos a ludibriar a tecnologia? “Através da vibração detectada”, assegura. No caso de telemóveis com sistema operativo Android, nem sequer é necessário ligar o GPS e, dessa forma, a bateria não é drenada rapidamente.

 

A integração dos negócios na aplicação, algo que poderia ser complicado, até acabou por não causar sobressaltos ao projecto, já que, segundo o gestor da Biklio (que não tem nenhuma empresa associada), a aplicação apontou a comerciantes específicos, “a quem poderia interessar” esta forma de negócio e a promoção de um estilo de vida saudável.

 

A aplicação foi desenvolvida no âmbito do projecto europeu Trace e, nas palavras de Bernardino, quer aproveitar "o potencial dos smartphones para fazer tracking a dois níveis”: promover mudanças de comportamentos e recolher de dados. Estes dados podem servir para auxiliar a tomada de decisões que se adaptem à forma como as deslocações são feitas nas cidades.

 

A aplicação já conta com alguns benefícios disponíveis, mas muitos só vão ser adicionados à medida que o dia 21 de Setembro se aproxima.