Jogo

Existe um Mundial de Escondidas — e portugueses querem ganhá-lo

De 8 a 10 de Setembro, em Itália, disputa-se o Campeonato Mundial do Jogo das Escondidas. Portugal vai estar representado por uma equipa de cinco amigos da Benedita. Querem trazer a taça

Texto de P3/Lusa created; ?> •


Cinco amigos da Benedita, no concelho de Alcobaça, vão disputar de 8 a 10 de Setembro, numa cidade fantasma de Itália, o título de campeões mundiais do Jogo das Escondidas — sim, isto existe — e querem trazer a taça.

 

Tudo começou quando António Ferreira viu num canal de televisão uma notícia sobre a competição. O jogo, pensou, era "a cara" do seu grupo de amigos. Desafiou-os. Eles, como contou à agência Lusa, "primeiro pensaram que era uma brincadeira", mas depois de "pesquisarem muita informação" sobre a competição lá "aceitaram o desafio do capitão". Nascia assim a auto-intitulada "Selecção Nacional de Jogo das Escondidas", composta por Filipe Penas, Isac Isac Fialho, Henrique Anfilóquio, Fábio Coito e o líder António.

 

Com idades entre os 26 e os 28 anos, sem filhos e com profissões na área da hotelaria, suinicultura, engenharia electrónica, fabrico de calçado e competições de póquer, os cinco amigos que sempre sonharam "representar Portugal" vão para Itália de 8 a 10 de Setembro determinados em arrancar à França o lugar de campeão mundial. Querem trazer para Portugal o título — e a folha de figueira em ouro que o simboliza.

 

Para isso desembolsaram já, cada um, 25 euros para a inscrição e 75 euros para as viagens até à aldeia de Consonno, na região italiana de Lombardia, a cerca de uma hora de Milão. Conhecida como a "Las Vegas Italiana", por ter sido originalmente pensada como um complexo de diversão e lazer para adultos, a pequena localidade, agora abandonada e conhecida com "aldeia fantasma", será o cenário da VIII edição do Nascondino World Championship, Campeonato Mundial do Jogo das Escondidas em português, que desde 2011 está aberto à participação de outros países.

 

80 países em competição

Este ano, a organização estima ter 80 países em competição, com equipas compostas por cinco elementos a esconderem-se e uma equipa de "procuradores" neutra, composta por jogadores de râguebi, que os tentarão encontrar. No jogo, conhecido em italiano por nascondino, vale tudo para não ser visto — de camuflagem a fardos de palha ou bidons. Os participantes têm de conseguir esconder-se em menos de um minuto e regressar em menos de cinco minutos, sem serem apanhados, a um pufe gigante que funciona como base. O primeiro a chegar "ganha 20 pontos, o segundo 19 e por aí fora", explicou à Lusa António Ferreira, convicto de que os cinco da Benedita vão "chegar à final e trazer a taça".

 

A preparação, ao nível da estratégia, "tem sido feita em reuniões no Café Central", na Benedita, transformado no "centro de reuniões para discutir a táctica", ironiza o capitão da equipa. Já o treino físico "tem sido pouco", embora a equipa mantenha a forma com jogos de futebol amador, "sempre que é possível". Resta agora, até Setembro, intensificar a procura de "patrocínios para os custos com alimentação durante a estadia", tarefa mais facilitada desde que a equipa começou a ser notícia e "as empresas começaram a perceber que não se trata de uma brincadeira".

 

Dos resultados que conseguirem alcançar dependerá a continuidade da equipa que, se ganhar, "sai em grande" e não voltará à competição. Caso contrário, o cenário é outro: "Vamos voltar lá até conseguir", garante António Ferreira. Em qualquer dos casos, a experiência poderá resultar na criação de "uma iniciativa do género" na Benedita, onde "existem locais onde se podem realizar competições deste género e fazer renascer um jogo que fez parte da infância de toda a gente", concluiu o capitão da primeira equipa nacional do Jogo das Escondidas.