Orienta-te Redes Sociais
O último livro de Madalena Matoso é "Todos fazemos tudo"

O último livro de Madalena Matoso é "Todos fazemos tudo" Luís Octávio Costa

Yara Kono publicou recentemente "Como é que uma galinha"

Yara Kono publicou recentemente "Como é que uma galinha" Luís Octávio Costa

Bernardo diz que ilustrações soltas não são feitas para ser obras de arte

Bernardo Carvalho diz que ilustrações soltas não são feitas para ser obras de arte Luís Octávio Costa

Exposição

Galeria Dama Aflita

Rua da Picaria, 84, Porto

Aberta de segunda a sábado, das 15h às 19h

Ilustração

O lado oculto da Planeta Tangerina

Esboços, desenhos preliminares e experiências: eis a Planeta Tangerina como nunca a vimos

Texto de Mariana Correia Pinto • 08/10/2011 - 13:23

Distribuir

Imprimir

//

A A

A culpa é de Bernardo Carvalho, Yara Kono e Madalena Matoso, os ilustradores. Por causa deles, Isabel Minhós Martins, a escritora, anda angustiada. Na Planeta Tangerina, há um monte de desenhos – obras de arte? – desperdiçados (“amarrotados, pisados, rasgados”, adjectiva Isabel), pedaços de história que nunca chegaram aos livros.

 

A Planeta Tangerina começou por ser um atelier de design e comunicação: faziam coisas “menos duráveis”. Depois evoluiu para uma editora, corria o ano de 2006. Mas não uma coisa grande, um espaço para publicar “cinco ou seis livros por ano”.

 

O que o quarteto da Planeta Tangerina quer é atingir a combinação perfeita entre texto e ilustrações – “Que convivam na página sem atropelos, de forma harmoniosa”, explica Isabel Minhós Martins.

 

Valem pelo conjunto

A vida embrionária da Planeta Tangerina dava um livro (ou dois, três, muitos). Mas, para os ilustradores, essa vida é só “um caminho para se chegar a um fim”, explica Bernardo Carvalho: “Não são desenhos feitos para viverem sozinhos numa parede. Em princípio, fazem sentido quando estão todos juntos, com o texto e encadernados”.

 

Ninguém é tão crítico do trabalho dos ilustradores como os próprios ilustradores. Por isso eles rasgam, deitam fora, amarrotam – coisas que, para os restantes mortais, estariam “óptimas”. “É horrível”, brinca Isabel Minhós Martins.

 

Yara Kono explica: “Temos um espaço que é um arquivo de ilustrações, mas estava um bocado desorganizado”. Por isso quiseram pôr ordem na casa - e assim surgiu a exposição da galeria Dama Aflita, no Porto, que junta os "patinhos feios" da Planeta Tangerina.

 

Não é só para crianças

Estão nas paredes, expostos, tal e qual obras de arte. São uma ideia do que significa o trabalho de um ilustrador, uma ideia do que Madalena Matoso explica em números: "Para um livro de 32 páginas, doze duplas, faço 100 imagens”.

 

As vidas incompletas são um processo criativo de uma editora cheia de desenhos, mas que não é para crianças. O “universo infantil” é um ponto de partida. O de chegada nunca sabem. Depende que quem lê o livro.

Eu acho que

The Identity Project

Fotografia // Nos últimos dois meses, a fotógrafa Sarah Deragon (na primeira foto desta...