Orienta-te Redes Sociais
Jorge Baldaia escreve quinzenalmente a rubrica "Notícias do Lado de Lá"

Jorge Baldaia escreve quinzenalmente a rubrica "Notícias do Lado de Lá"

Pedro Dias e arquitecto em Hong Kong e tem um blogue sobre viagens

As escolhas de Pedro Dias

Uma zona
Recomendo a área a oeste do bairro do “Soho” (especialmente a Hollywood Road e a Tai Ping Street ), zona onde existem imensas lojas "trendy", de moda, galerias de arte e uma série de cafés super interessantes de ambiente meio "lounge"

Uma rua
A Upper Lascar Row, a rua da Feira da Ladra cá do sitio. Aqui encontra-se de tudo um pouco, desde velharias e antiguidades da Dinastia Ming (cuidado com as imitações) a posters de propaganda da Revolução Cultural e estatuetas do Mao Tsé-Tung.

Um parque
Uma ida ao “The Peak”, um parque com um miradouro localizado no topo da montanha de Hong Kong Island e de onde se pode ter uma vista impressionante sobre os arranha-céus e a baia de Hong Kong.

Um museu
O Hong Kong Museum of Art, um dos poucos museus de Hong Kong que vale a pena visitar.

Um bar
O “Sense 99”, um bar alternativo, com uma aura meio “ocupa” e onde qualquer um se pode “chegar à frente“ e fazer uma "jam session". Localiza-se no último andar de um dos poucos edifícios históricos que restam do bairro de “Central”.

Uma experiência
Aconselho qualquer um que decida visitar esta cidade a empreender uma viagem nocturna na baia de Hong Kong, a bordo de um "junk boat" (um barco tradicional chinês), de forma a poderem contemplar na plenitude o respectivo impressionante "skyline" e o espectáculo de raios laser e som que o acentua e que acontece todos os dias ao final da tarde.


Blogue de Pedro Dias

DR

Pedro Dias

Crónica

Morar em Hong Kong: a cidade vertical vista por Pedro Dias, um arquitecto de 37 anos

Pedro Dias mudou-se para Hong Kong há um ano, depois de uma passagem por Macau. O Oriente sempre o cativou, o que facilitou a adaptação. Viajante nato, só pensa em regressar quando as condições sociais mudarem

Texto de Jorge Baldaia • 12/08/2012 - 16:39

Distribuir

Imprimir

//

A A

Quando se pronuncia o nome “Hong Kong” fazem-se, de imediato, várias associações. Foi cenário em vários filmes de Bruce Lee e local habitual de passagem de James Bond durante a Guerra Fria. Mas também é vista como um dos maiores centros da arquitectura moderna e uma das grandes capitais financeiras do mundo. Quem a conhece descreve-a como o local onde “o Oriente encontra o Ocidente”.

 

Pedro Dias estudou Arquitectura e Planeamento Urbano na Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa, cidade onde nasceu. Começou por trabalhar em Portugal mas nos últimos anos tem exercido a sua actividade profissional além fronteiras. Passou por Amesterdão e Macau, até se estabelecer em Hong Kong, onde é Senior Architect no atelier britânico Benoy Architects, integrando uma equipa de 300 arquitectos de várias nacionalidades. Actualmente, Pedro Dias é o responsável pelo "concept design" de “um projecto multifuncional gigantesco (que compreende um "street mall" de 90.000 m2, dois hotéis, um teatro, um centro de congressos e um parque temático), de escala inimaginável na Europa, para a cidade de Qingdao (norte da China)”, explica.

 

E porquê Hong Kong? Para Pedro Dias, viajar não é propriamente uma novidade. Começou por fazê-lo “desde muito cedo", quando acompanhava regularmente a mãe nas viagens que ela empreendia a congressos internacionais. E foi numa dessas viagens que, com 14 anos, visitou Hong Kong pela primeira vez: “uma cidade que na altura me impressionou imenso, sobretudo pelo respectivo 'skyline' e pelos ambientes urbanos algo exóticos e decadentes". "Nunca imaginei que acabasse por vir para cá viver”, confessa. Mas foi e está a gostar da experiência.

 

No entanto, a escolha de Hong Kong para desenvolver a sua actividade enquanto arquitecto não foi casual. Durante dois anos, Pedro e a sua companheira Matilde (também ela arquitecta) trabalharam em Macau. Nesse período deslocavam-se a Hong Kong “pelo menos uma vez por mês para respirar e quebrar um pouco a monotonia de Macau". A cidade afirmou-se como uma "escolha natural e de circunstância, nada planeada". "Candidatei-me a uma dúzia de ateliers e resolvi aceitar uma proposta de trabalho”, esclarece.

 

A Nova Iorque do Oriente

Hong Kong é várias vezes comparada com Nova Iorque, sendo descrita como uma espécie de clone oriental da cidade norte-americana. Pedro Dias confirma as semelhanças em alguns aspectos. Hong Kong, diz, é uma cidade com “um 'skyline', um ambiente urbano e um ritmo impressionantes aos quais se é impossível ficar indiferente". "Ou se gosta, ou se detesta. Aqui tudo acontece a uma velocidade estonteante e, para se viver aqui, é preciso ter-se muita capacidade de adaptação e uma mente muito aberta à diferença e a um estilo de vida completamente diferente daquele a que estamos habituados em Portugal. São sete milhões de pessoas, com hábitos e maneiras de ser muitos diferentes dos nossos, a acotovelarem-se num espaco relativamente pequeno." Mas nem tudo é pura agitação. “O curioso é que Hong Kong também tem zonas rurais mais tranquilas, ilhas e praias onde se pode relaxar. Este é um lado menos conhecido desta cidade, mas essencial para se conseguir uma harmonia de espírito por estas bandas”, salienta.

 

Sendo um local cosmopolita por eleição, Hong Kong tem coisas boas e outras menos boas. Pedro aponta como aspectos positivos “as milhares de luzes e néones que a polvilham", o " exotismo e colorido dos respectivos mercados", "a comida", características que a tornam uma "cidade vibrante e multicultural", com a vantagem de ter zonas tão distintas "como o campo e a praia". Menos agradável é o “excesso de concentração de pessoas, agitação e confusão que se vive nas ruas”. Além disso, refere ainda o facto de os chineses serem pouco afáveis e de tudo rodar muito em torno do dinheiro.

 

De resto, e quando confrontado quanto à possibilidade de regressar a Portugal, Pedro é bastante esclarecedor e directo: “Dificilmente voltarei enquanto a actual crise económica estiver ao rubro, pois neste momento as possibilidades de arranjar trabalho são mesmo muito diminutas. É pena, pois Portugal é um país fabuloso para se viver e do qual nos devemos orgulhar. Apenas no que toca a questões relacionadas com trabalho e perspectivas de futuro o nosso país deixa muito a desejar.”

 

As saudades, essas, são muitas e em vários aspectos. Mas, curiosamente, não se sente um emigrante. “Apesar de estar neste momento a viver no estrangeiro sempre me considerei um viajante e não um emigrante... Um emigrante vai e nem sempre volta. Um viajante vai mas, mais tarde ou mais cedo, acaba por voltar. Neste sentido a minha intenção é, no futuro, voltar a Portugal, país que adoro e do qual sinto imensas saudades. Só não sei é exactamente quando.” Uma coisa é certa — quanto mais viaja, mais gosta de Portugal.

Eu acho que

Pub

Videoclipe.pt

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Fotografia

Para marcar o início da terceira temporada da mítica série norte-americana "Twin Peaks" — que regressou ao pequeno ecrã dos Estados Unidos no dia 21 de Maio de...

Salvador, o vencedor do Festival da...

Ilustração // A euforia começou por ser portuguesa: Salvador Sobral interpretou a canção que...