Orienta-te Redes Sociais

Luis Branco/arquivo

Internet

Notícia da morte de Vasco Granja ressuscitou três anos depois

A notícia da morte do apresentador Vasco Granja, em Maio de 2009, começou a circular no fim-de-semana como sendo actual e rapidamente se tornou viral

Texto de Cláudia Carvalho • 07/05/2012 - 15:31

Distribuir

Imprimir

//

A A

Uma das notícias mais lidas nesta segunda-feira no PÚBLICO online tem três anos: a morte do apresentador Vasco Granja, em Maio de 2009, começou a circular no fim-de-semana como sendo actual e rapidamente se tornou viral.

 

Um fenómeno só possível graças ao potencial de partilha das redes sociais, como o Facebook. O próprio semanário Expresso, na sua edição online, fez uma notícia como se a morte tivesse ocorrido agora, citando o PÚBLICO de 2009. Mais tarde, e detectado o erro, o Expresso apagou a notícia, mas já era tarde de mais. O erro tornou-se ele próprio motivo de partilha nas redes sociais.

 

“Quem estava de serviço errou e por isso, sendo um engano, a notícia foi retirada”, disse ao PÚBLICO Anabela Natário, coordenadora do site do Expresso, sem adiantar mais detalhes. Ou seja, o Expresso apagou a notícia errada, mas houve quem tivesse guardado uma imagem dela e a tenha levado até ao Facebook. O erro tornou-se ele próprio motivo de partilha.

 

A ressureição de notícias antigas em sites noticiosos já criou embaraços a muitos jornais, que foram obrigados a alertar os leitores para o facto de que o que estavam a ler era antigo. Neste caso, a confusão começou porque o título da notícia reapareceu no site do PÚBLICO, na zona reservada às notícias partilhadas e recomendadas no Facebook.

 

Quem no último fim-de-semana entrou na homepage do PÚBLICO, sem estar autenticado no Facebook, deparava-se com a informação de que mais de 1900 pessoas tinham recomendado a notícia da morte de Vasco Granja. A data original do artigo não era visível e isso terá sido o suficiente para levar alguns leitores ao engano: quem não acedesse à notícia – e não soubesse que o popular apresentador e divulgador de banda desenhada e do cinema de animação já tinha morrido –, poderia pensar que se trataria de uma informação actual.

 

A popularidade do apresentador pode ter ajudado a difundir ainda mais o artigo nas redes sociais.

 

O PÚBLICO está, entretanto, a avaliar as medidas possíveis para evitar que na zona reservada às notícias partilhadas e recomendadas no Facebook sejam exibidas notícias que tenham mais de 30 dias.

 

Lê o artigo completo no PÚBLICO

Eu acho que

Pub

Sensibilização

Sim, são bolinhas de Natal para pendurar na barba. Não, não são (ou não devem ser) apenas uma qualquer moda lumbersexual. As Beard Baubles têm dado...

Os burros do João são a vida dele

Perfil // Aos 32 anos, este médico veterinário de Paredes de Coura já viajou por todo o...