Orienta-te Redes Sociais
Cátia Castro

Cátia Castro deseja dedicar-se ao jornalismo de viagens remunerado

O excerto

"A guerra já acabou! Agora só há corrupção." A palavra que anda na boca de todos, sobretudo dos mais jovens que acusam o Governo pelo estado da nação. A Bósnia possui três presidentes e 14 ministros. Um número generoso para um país de dimensões tão pequenas.

Cátia Castro

Crónica

A guerra já não mora aqui!

Ir a Sarajevo é sobretudo não esquecer a guerra. Há ainda edifícios cravados pelas balas e uma chama acesa 365 dias para lembrar as milhares de vítimas

Texto de Cátia Castro • 01/07/2014 - 15:49

Distribuir

Imprimir

//

A A

A guerra já não mora aqui, apenas as armas. Armin, nome fictício, comprou uma Kalashnikov numa noite de bebedeira por 250 euros. Não é que se orgulhe da aquisição, mas a AK-47 foi o símbolo da guerra na Bósnia. Conheci-o num bar, juntamente com dois turistas da Nova Zelândia e dos Estados Unidos, que lembravam a famosa música de Goran Bregovic: Kalashnikov. Desafiado a mostrar a reputada arma leva-nos até ao seu pequeno apartamento onde preserva o fuzil no quarto. Não está carregada e parece não ser usada há muito tempo, dado o estado de conservação. Passa de mãos em mãos. São tiradas fotografias. Há ânsia de materializar o momento. Afinal, qual é a probabilidade de numa viagem aos Balcãs acabar o dia a segurar uma Kalashnikov?

 

Armin parece estar familiarizado com o funcionamento e explica como posicionar o corpo e usar a mira. É estranho segurar uma arma tão mortífera. Notando o meu ar pouco à vontade, pergunta-me se não serei uma espia e tranquiliza-me: "A guerra já acabou! Agora só há corrupção." A palavra que anda na boca de todos, sobretudo dos mais jovens que acusam o Governo pelo estado da nação. A Bósnia possui três presidentes e 14 ministros. Um número generoso para um país de dimensões tão pequenas.

 

Mas ir a Sarajevo é sobretudo não esquecer a guerra. Há ainda edifícios cravados pelas balas e uma chama acesa 365 dias para lembrar as milhares de vítimas. O Túnel da Esperança, única forma de abastecer a cidade durante do cerco de 92/95 e a cidade olímpica, palco de batalha, são reminiscências de um passado assustadoramente recente.

 

Não obstante à importância de cada esquina, numa cidade com as medidas certas, a Galeria Memorial de Srebrenica é indubitavelmente um dos locais mais comoventes. A 11 de Junho de 1995, nesta localidade que faz fronteira com a Sérvia, ocorreu um dos piores genocídios depois da II Guerra Mundial. O massacre de mais oito mil bósnios muçulmanos, a maioria homens e rapazes, pelas mãos do exército Bósnio da Sérvia. Com as cheias que se abateram em Maio e que fizeram subir o nível das águas, foram descobertos mais corpos.

 

Ver as fotos de Tarik Samarah e ouvir os testemunhos dos sobreviventes deixa-nos com um nó na garganta. Quando saímos já não somos os mesmos.

 

Esta crónica é a segunda de uma trilogia sobre a Bósnia. Lê também a primeira

Eu acho que

Pub

Videoclipe.pt

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Prémio

Bruna Tavares

Investigadora portuguesa desenvolveu um sistema de fusão sensorial que permite ter uma visão mais precisa do estado da rede eléctrica. A ideia é “prevenir...

Mariana ajuda-te a organizar a casa...

The White Room // Mariana Vidal deixou a indústria da moda para se tornar organizadora de espaços...