Orienta-te Redes Sociais

DR

LGBT

The Pansy Project: um amor-perfeito contra a homofobia

Artista britânico começou em 2005 a plantar amores-perfeitos em locais que testemunharam situações homofóbicas. Toda a gente pode participar no The Pansy Project

Texto de Amanda Ribeiro • 20/01/2014 - 13:56

Distribuir

Imprimir

//

A A

Por cada acção homofóbica, por cada impropério bradado aos céus, por cada ameaça política velada, ele — e outros — planta(m) um amor-perfeito no local onde tudo aconteceu. Ele é Paul Harfleet, um artista britânico que já anda há oito anos a combater desta forma a homofobia. Eis o The Pansy Project ("O Projecto do Amor-perfeito", em português).

 

Em 2005, em menos de 24 horas, Paul e o namorado foram por três vezes vítimas de ataques homofóbicos verbais e físicos. Esse belo dia de Verão, passado nas ruas de Manchester, acabaria por ser o catalisador para o projecto. O artista apercebeu-se que a forma como lidava com estas experiências dependia do seu estado de espírito, por isso, como conta no seu site, decidiu explorar as reacções e memórias que, mais tarde, os locais dos ataques espoletavam.

 

"Eu queria manipular essas associações para, de alguma forma, ver o local de maneira diferente e alterar as memórias. Fiquei interessado na natureza pública destes incidentes e no modo como se é forçado a reagir publicamente a um crime que geralmente ocorreu durante o dia, à vista desarmada."

 

O ritual de colocar flores em homenagem às vítimas nos locais de crimes e acidentes inspirou-o. Escolheu um amor-perfeito, "perfeito" para os seus objectivos: "pansy" é, em calão inglês, um homem efeminado. Desde aí, desde esse dia de 2005, milhares e milhares de flores foram plantadas em todo o mundo — tudo começou no Reino Unido, mas já chegou a Nova Iorque, Hong Kong, Belim ou Viena. Cada vez que Paul planta uma flor, fotografa-a e publica-a no seu site, muitas vezes com uma pequena descrição do abuso. Quem quiser, também é convidado a participar: basta seguir as instruções (em pdf) que o criador disponibilizou e não esquecer de enviar a imagem para ser publicada.

 

"O humilde amor-perfeito plantado torna-se num registo; é um vestígio de uma ocorrência pública que, sendo profundamente pessoal, fica disponível par ao público nas ruas e na internet." É, escreve o autor no seu site, uma forma de prevenir que a vítima "interiorize o incidente".

 

O projecto tem dado à volta ao mundo. Paul já participou em algumas exposições e criou uma linha de "sweatshirts" e posters com o mote "Put a Pansy in IT" — Putin foi o primeiro a ser silenciado com um amor-perfeito. Por cá, há quem plante flores no metro em nome do amor — o Sinal de Alarme regressou este ano.

Eu acho que
Videoclipe.pt

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Entrevista

Plataforma de denúncia de emprego precário e ilegal Ganhem Vergonha reuniu quatro anos de abuso num livro. Já há “mais consciência” e “discussão pública” — mas...

A realidade nua e crua de um parto...

Fotografia // "Alerta: um parto é acontecimento bonito, mas é também turbulento e...