Orienta-te Redes Sociais

Calita Fonseca, mãe, blogger e mais não sei o quê

http://www.cascoprojects.org

Crónica

Ainda bem que há coincidências

Aconteceu, então, de eu ter estado na Noite do Manifesto, no Teatro Municipal Maria Matos, a ver um rol de actores ler, performar, cantar, um total de 14 manifestos

Texto de Calita Fonseca • 21/04/2012 - 11:18

Distribuir

Imprimir

//

A A

Os tempos que correm já todos sabemos quais são e sabemos também que é por causa deles que vemos (res)surgir algumas tendências como o revivalismo, o estilo de vida minimalista, ou a tendência a procurar relações de causalidade entre as coisas que nos acontecem (não deve ser por acaso que a série "Touch", por exemplo, surge nesta altura), como se precisássemos, mais do que nunca, de nos sentir parte de alguma coisa.

 

No que me diz respeito a única tendência revivalista de que sofro são os anos 80, mais precisamente a música (é arriscado dizer isto, eu sei, porque a música dos anos 80 já passou de moda, outra vez, mas eu vou sempre comover-me com o “Forever Young”, dos Alphaville). Quanto ao estilo de vida minimalista é quase natural em mim, porque odeio fazer compras de toda a espécie e, à excepção da comida e bebida, vivo bem sem excessos. Já os mistérios da vida, isso é outra história.

 

Só isso, essa minha quase obsessão por tentar perceber por que é que as coisas acontecem de uma determinada forma e não de outra, pode justificar o grande número de coincidências que se atravessam à minha frente. São coisas, quase sempre, sem importância absolutamente nenhuma, mas, lá está, são suficientes para me fazerem sentir que há uma explicação, algures, para esta confusão toda que é a bem dizer a vida.

 

Aconteceu, então, de eu ter estado na Noite do Manifesto, no Teatro Municipal Maria Matos, a ver um rol de actores ler, performar, cantar, um total de 14 manifestos. Pelo meio comi carne de vaca crua, depois de me ter cruzado com a manifestação pelos direitos dos animais, mas a comida do chef Luís Baena, que foi servida nos intervalos dos manifestos, dá uma outra crónica.

 

Também me perdi antes de chegar ao teatro, porque eu e o metro de Lisboa temos uma relação complicada, mas honestamente não sei que influência terá tido esse pormenor no decorrer do serão.

 

A coincidência de que quero falar é a de ter encontrado este site, por causa do manifesto apresentado por Lula Pena. A artista levou o “Manifesto for Maintenance Art” de Mierle Laderman Ukeles, de 1969, e numa performance absolutamente sublime, que consistiu em levantar as malgas e as mini colheres de pau onde tínhamos comido “Ceviche peruano de Pargo, gelado de limão com azoto líquido” e “Tártaro de novilho com gema trufada, botão de sechuan”, ao som de uma entrevista a Ukeles sobre o Manifesto.

 

À medida que Pena ia levantado a loiça, tentava intervir na conversa gravada, sem sucesso, e por fim terminou com a pergunta: “Excuse me, I just want to know: after the revolution, who’s going to pick up the garbage on Monday Morning”, que é uma das frases que consta no Manifesto.

 

E qual é a coincidência, afinal? Perguntam. Pois, as coincidências têm essa particularidade, a de serem importantes apenas para nós próprios. E para mim é importante saber que há artistas a pensar/criar/revolucionar o espaço doméstico (um tema tão caro à minha pessoa) ao mesmo tempo que eu. Ainda que da minha parte não saia nada de muito artístico.

Eu acho que

Pub

Videoclipe.pt
Videoclipe.pt

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Publicidade

O "Adsvent Calendar" (sim, com aquele “s”) deixa-nos abrir, a cada dia do Advento, um novo quadrado. Dali não vêm chocolates, mas sim anúncios natalícios para...

Maria vive para os Animais de Rua

Perfil // Advogada, activista e presidente de uma associação de protecção de animais,...