Entre Lynch e Fellini: a magia do burlesco

autoria Ana Marques Maia

// data 14/05/2018 - 17:20

// 5365 leituras

Da primeira vez que o fotógrafo Giovanni Cocco assistiu a um espectáculo de burlesco ficou "totalmente fascinado". "É como estar dentro de um filme de Fellini ou de David Lynch", descreveu, em entrevista ao P3. Sentiu, desde o primeiro espectáculo, uma "vontade visceral" de fotografar. "Decidi, por isso, mergulhar profundamente no tema, absorver a experiência e libertar a imaginação." Burladies é o fotolivro que resulta dessa imersão: reúne 42 imagens (43 na edição limitada) que revelam todo o trabalho que realizou sobre esta forma de arte ao longo de sete anos, desde 2010. "Fotografei em diversos clubes italianos que recebiam artistas internacionais, sobretudo em Milão e Roma." Acompanhou, em digressão, o grupo de artistas Sick Girls!; com elas visitou Pádua, Florença, Pisa e Bolonha. "As imagens traduzem uma experiência que teve início dentro de mim, que cativou o meu corpo e a minha alma, mesmo antes de atingir o olhar", romantiza.

 

Mas, afinal, o que é o burlesco? "É uma forma de arte e espectáculo que surgiu durante o século XIX, em plena Inglaterra vitoriana", explica o fotógrafo. "Mulheres bonitas provocavam a aristocracia através de música, dança e de pequenas performances ostensivas. No final do século XX, quando surgiu a moda do vintage, as artistas do burlesco reinventaram-se e criaram o new-burlesque, um espectáculo em que o striptease é apenas um elemento não obrigatório [e não o propósito da actuação]. Actualmente, o espectáculo inclui coreografia, música orquestral, momentos humorísticos e, em versões mais modernas, elementos do fetiche e do punk." É um tipo de performance que "não requer um físico escultural", explica Cocco. "É possível, neste contexto, ultrapassar os estereótipos de beleza corporal", motivo pelo qual apelida de "democrático" este tipo de espectáculo.

 

A lista de prémios, distinções e exposições do fotógrafo italiano é extensa. Presentemente, Cocco encontra-se em Lampedusa, a desenvolver trabalho de fotografia documental sobre migração e a travessia mediterrânica.

Eu acho que