Cultura

No Porto, os 16 projectos a apoiar pelo Criatório já estão escolhidos

Mais de trezentos candidatos ficaram de fora na estreia desta bolsa de apoios da Câmara do Porto que atribui 15 mil euros para a realização de projectos artísticos

Texto de Abel Coentrão • 12/05/2017 - 12:47

Distribuir

Imprimir

//

A A

A Associação Sonoscopia, a banda Black Bombaim, a companhia Mala Voadora ou a associação Salto no Vazio, que gere o espaço cultural Sismógrafo são alguns dos vencedores do primeiro Criatório, o programa de apoios à criação cultural lançado no final de 2016 e com o qual a Câmara do Porto se comprometeu a atribuir 15 mil euros a 16 projectos. A decisão do júri será ractificada na reunião de Câmara da próxima terça-feira, 16 de Maio.

 

A lista dos 16 escolhidos inclui as investigadoras e curadoras de arte Alexandra Balona e Sofia Lemos, com o projecto Estados Gerais: Pensamento e Contemporaneidade, Mário Moura, designer gráfico e docente da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, com Páginas Inquietas - sobre documentos insubmissos, os Black Bombaim, num projecto musical com Jonathan Saldanha, Pedro Augusto, Luis Fernandes, o Movimento Patrimonial pela Música portuguesa, que concorreu com Ninguém &Todo-o-Mundo, farsa lírico-turístico em torno de Gil Vicente, e a associação cultural Mala Voadora, com a produção White Rabbit, Red Rabbit.

 

Seguem-se a realizadora Rita Barbosa e a Take it easy – Produções Audiovisuais, com Amigos Imaginários – O Que Podemos Imaginar Juntos, a associação cultural Sonoscopia, que propôs o projecto Insono: o Ouvido Secreto das Plantas, a Salto no Vazio associação Cultural, que pediu apoio para a programação deste ano do espaço Sismógrafo, de Pedro Jordão (o director de produção do Ao Cabo Teatro), que candidatou Fora de Campo, a artista plástica Ana Pérez-Quiroga, que vai desenvolver ?De que casa eres? 'Los niños de Rusia', episódios de um quotidiano e Henrique Apolinário Correia, do Teatro do Frio, com Cavalo de caixa.

 

Esta primeira bolsa de apoios vai financiar ainda o Programa de formação Teatral de 2018 da Estrututura Associação Cultural, o projecto Lote 36 da dupla de artistas plásticos Jérémy Pajeanc e Maria Trabulo, a produção Galeria Portátil.PLF, da editora de arquitectura Pierre Le Fou, a produção Lady & Macbeth, da criadora Ana Luena e o projecto Sugar, do Núcleo SillySeason. Os 16 obtiveram a pontuação máxima nas avaliações do júri, que incluiu elementos da Câmara do Porto e personalidades externas, ligadas às áreas a apoiar, e que teve de analisar, em várias dimensões, 313 candidaturas, de um total de 322 que foram entregues no município.

 

A lista de projectos seleccionados cumpre, na diversidade de áreas artísticas, os requisitos anunciados em Novembro passado, no lançamento do Criatório. Segundo dados disponíveis no site do município, o concurso suscitou maior interesse entre os agentes culturais das artes visuais e curadoria (área à qual foram submetidas 137 candidaturas, 42% do total). Para artes performativas e programação houve 72 projectos a concurso (23%); seguindo a composição, programação e performance musical (54 candidaturas, 17%); e a área da literatura, investigação e pensamento crítico (com 53 candidaturas, 17%).

 

Todos os projectos vão ser desenvolvidos no Porto durante os próximos meses, até um prazo máximo de um ano, com acompanhamento do município, que exige a apresentação de um relatório final. O resultado, seja uma exibição ou edição, terá que estar concluído até ao final de 2018.

 

Lê o texto completo em PÚBLICO.PT

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que