Canadá

Um projecto para integrar imigrantes através da... comédia

Iniciativa da emigrante brasileira no Canadá Carol Zoccoli pretende explorar e desmistificar o choque cultural

Texto de Lusa • 09/03/2017 - 13:59

Distribuir

Imprimir

//

A A

A cidade de Toronto é palco de um projecto pioneiro de integração de imigrantes através da comédia, uma iniciativa de uma emigrante brasileira, que pretende explorar e desmistificar o choque cultural. "Muitos dos imigrantes do mundo inteiro moram aqui mas não têm uma vida cultural, eles não saem de casa, não vão assistir a um espectáculo, no máximo vão a um restaurante", disse à agência Lusa Carol Zoccoli.

 

O projecto Comédia como uma Segunda Língua conta com a participação de artistas de outros países e "está a ser um sucesso" na cidade, com cerca de 75 por cento do público com origens fora do Canadá, explicou a promotora. Natural de São Paulo, no Brasil, e a viver no Canadá desde 2013, Carol Zoccoli tem um mestrado em filosofia pela Universidade de São Paulo (USP), mas a comédia é a sua grande paixão, tendo frequentado durante um ano e meio, em Toronto, a escola de improviso de Second City.

 

A emigrante explicou que ao chegar ao Canadá, após frequentar algumas aulas de inglês, constatou que o "choque cultural" verificado "era muito engraçado". "Pensei que as pessoas precisavam de assistir a espectáculos e rir desta situação de estarem numa cultura diferente, independentemente da sua origem", sublinhou.

 

O espectáculo explora as diferenças culturais mas também as minimiza, procurando, desse modo reduzir o choque entre as culturas de origem dos emigrantes e do seu país de acolhimento, explicou à Lusa Carol Zoccoli, que se dedica há nove anos à comédia, uma paixão que descobriu ainda quando estudava. "Estava a concluir o mestrado e fiz alguns textos engraçados. Precisava de descansar a minha cabeça um pouco, e descobri alguns bares em São Paulo que tinham noites com o microfone aberto. E comecei a escrever e a pesquisar e experimentar, e nunca mais parei", contou.

 

A brasileira disse ainda que quando chegou ao Canadá já tinha o estatuto de comediante profissiona e teve de fazer "uma transição para a comédia em inglês". "Foi como começar no zero", explicou.

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que