Turismo

Uma agenda cultural que ajuda a palmilhar Coimbra

Coimbra Cartaz Cultural nasceu primeiro como uma agenda na internet e lança agora mapas para guiar os visitantes da cidade

Texto de Camilo Soldado • 27/01/2017 - 14:38

Distribuir

Imprimir

//

A A

Primeiro nasceu como uma agenda cultural de Coimbra, em 2012, agora materializa-se em produtos dirigidos a quem visita a cidade. O Coimbra Cartaz Cultural (CCC) começou por ser página no facebook de partilha de concertos, exposições e peças de teatro da cidade. Quase cinco anos e uns milhares de seguidores depois, as dinamizadoras do projecto lançam postais e mapas para aproveitar a onda do crescimento do turismo.

 

Paulo Vale Marques, uma das responsáveis pela iniciativa, conta ao PÚBLICO que o CCC “começou por ser uma página para amigos”. A página para um círculo mais próximo cresceu “de forma orgânica”, ou seja, sem publicações patrocinadas, e tem actualmente mais de 16 mil seguidores.

 

Uma das explicações para a adesão poderá ser a pouca abrangência das agendas de entidades oficiais. Paula Vale Marques afirma que ainda tentou entrar em contacto com o município, mas a câmara respondeu que já tinha a Agenda7, um projecto de parceria entre a Câmara Municipal e a Universidade de Coimbra que, apesar de contar com mais de 400 entidades na lista de “parceiros” não traduz a actividade cultural da cidade.

 

Apesar de ter vivido os últimos três anos em Lisboa, Paula garantiu sempre a actualização da página Coimbra Cartaz Cultural “por carolice”, sem qualquer recompensa financeira, até que começou a pensar “numa maneira de a rentabilizar”.

 

Desafiou então Ana Fróis, arquitecta e ilustradora a criar materiais que se enquadrassem com a página. Desse trabalho saíram mapas da cidade, postais e sacos de pano.

 

Um dos objectivos é aproveitar o crescimento do turismo. “Notamos que Coimbra tem mais gente, não só turistas estrangeiros, mas também portugueses”, afirma a responsável que entende também que os materiais do CCC são uma forma de “tornar a cidade mais atractiva, mais interessante” para quem a visita.

 

Na fase de desenvolvimento do produto notaram uma certa ausência de materiais fora do mapa tipo que é distribuído nos circuitos turísticos. “Há o mapa do município mas não havia percursos alternativos e os postais são do tempo da outra senhora”, diz.

 

Uma nova forma de percorrer Coimbra

Os mapas bilíngues do CCC não mostram só as ruas da cidade, mas propõem formas de as percorrer. Acabam por ser guias. Para já, na data do lançamento, está disponível uma sugestão de percurso de dois dias em Coimbra, que começa na margem esquerda do rio Mondego e acaba na direita. Está ainda alinhavado um mapa com jardins e estão na calha outros, um que segue as marcas deixadas pela literatura na cidade e outro por edifícios singulares.

 

As sugestões partem das autoras do projecto, duas autóctones de Coimbra. “Isto é pensado nas pessoas que gostam de andar a pé” avisa Paula Vale Marques, “até porque Coimbra é uma cidade pequena e faz-se bem calcorreando”.

 

Para financiar o arranque do projecto lançaram uma campanha de crowdfunding “muito bem sucedida”, tendo ultrapassado os 1000 euros que se propunham angariar. Para além do financiamento colaborativo, já conseguiram algumas receitas através da loja online, que já abriu. No final do mês vão ter material disponível no Teatro Académico Gil Vicente sendo que têm mais reuniões agendadas para aumentar os pontos de venda.

 

A nova fase na vida do Coimbra Cartaz Cultural é apresentada no sábado, na Casa da Esquina, onde serão também distribuídos materiais pelos dadores da campanha de crowdfunding

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que