Matosinhos

Companhia de dança pede apoio para poder nascer

Em fase embrionária, a companhia de dança que nasce no seio da Academia de Dança de Matosinhos, lançou uma campanha de crowdfunding para apresentar o protótipo de um espectáculo a programadores

Texto de André Vieira • 09/01/2017 - 11:23

Distribuir

Imprimir

//

A A

São 2750 euros. Este é o valor que a Companhia de Dança de Matosinhos (CDM) precisa para dar o próximo passo. Em fase de arranque lançou uma campanha crowdfunding, que serão aplicados na apresentação de dois espectáculos para programadores, em Matosinhos e em Lisboa. TRIPALIUM redux é uma versão reduzida da peça final, que será produzida a partir de Setembro de 2017, e é o ponto de partida para que a companhia, em fase embrionária, consiga chegar às entidades responsáveis pela programação das salas de espectáculo nacionais.

 

Há uma missão por trás da criação da companhia. Contribuir para que a fuga de bailarinos portugueses para o estrangeiro diminua. Fuga essa, que as mentoras da companhia, Diana Amaral, directora pedagógica, e Sara Silva, directora artística, explicam pela falta de condições de trabalho dos bailarinos, em território nacional, nomeadamente ao nível das remunerações. Outro factor que sublinham é a quase inexistência de estruturas que permitam dar resposta aos bailarinos formados em Portugal. Em número, não há escassez de escolas. “Só no Porto há mais de oitenta privadas”, refere Sara Silva. O problema é que feita a formação “não há forma de dar resposta a grande parte dos bailarinos que querem seguir a via profissional”, diz Diana Amaral, que considera não existir uma estrutura montada a nível governamental que reme em sentido contrário.

 

Por uma experiência fora do país passaram as duas, que sem se cruzarem, estiveram em Londres à procura de outras oportunidades. Aos 3 anos, Sara Silva tem o primeiro contacto com o ballet. Foi assistir a uma aula da irmã e instintivamente “não parava de dançar”, diz. Desde essa altura foi apostando na formação. Antes do secundário já sabia que queria ser bailarina. Na altura de entrar para a universidade, ainda passou por uma experiência na área do design, que diz ter sido “o mês mais infeliz” da sua vida. Seguiu a sua vontade e foi para Londres estudar na Central School of Ballet. Por lá foi ficando, onde trabalhou com algumas companhias inglesas, embora o objectivo fosse sempre voltar a Portugal.

 

Diana Amaral, despertou para a dança com a mesma idade. Aos 3 anos foi ver o Lago dos Cisnes com um tio. O tio adormeceu e Diana, quando chegou a casa, não parou de “imitar os movimentos que tinha visto no espectáculo”, conta. Cresceu com a dança e foi apostando na formação. A via académica foi seguida pelos caminhos da antropologia, um “dos muitos interesses” que tem. Continuou a dançar e trabalhou na sua área de formação académica. Mesmo no desempenho dessas funções nunca deixou de chamar a dança para alguns dos museus onde trabalhou. Sempre que havia oportunidade incluía a dança nas actividades dentro dos espaços museológicos por onde passou. Sempre à procura de novas experiências, não esqueceu os 14 anos de formação em ballet clássico e foi para Londres tirar um mestrado em Ciências da Dança, curso que diz não existir em Portugal.

 

Ainda em Inglaterra, começa a dar os primeiros passos para a Academia de Dança de Matosinhos, da qual também é directora e de onde nasce a companhia. A pensar numa tese de doutoramento começa a esboçar a estrutura de um “museu da dança”. Um museu que “não queria que fosse estático”, diz. Começa então a pensar na escola de dança como serviço educativo do unidade museológica em projecto. Há cerca de 7 anos, quando volta a Matosinhos compra a Academia de Dança de Matosinhos. “Uns anos antes não sonhava sequer ter uma escola”, conta. É na academia que conhece Sara, que enviou uma proposta de trabalho, aceite por Diana. “Chamou-me à atenção a abordagem divertida do mail”, recorda.

 

Lê o texto completo em PÚBLICO.PT

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que