Teatro

Língua Gestual sempre presente nas peças de grupo de teatro de Coimbra

"A questão de não haver som dá espaço para que o público, sendo surdo ou ouvinte, se foque no impacto visual — é o ritmo e as figuras que mostramos com o corpo"

Texto de Lusa • 24/10/2016 - 10:03

Distribuir

Imprimir

//

A A

O grupo de teatro Corpus nasceu há cerca de três anos em Coimbra e, desde então, apresenta peças onde o som está quase sempre ausente, utilizando antes o movimento e a Língua Gestual para contar histórias.

 

As duas curtas peças que já criaram desde 2013 não têm quase som ou palavras. É a partir da expressão corporal e facial que o grupo de Coimbra, constituído por jovens ouvintes e surdos, vai contando a história, recorrendo apenas à voz para oralizar aquilo que é dito em Língua Gestual Portuguesa. "A questão de não haver som dá espaço para que o público, sendo surdo ou ouvinte, se foque no impacto visual — é o ritmo e as figuras que mostramos com o corpo" que acabam por desvendar o enredo, disse à agência Lusa a encenadora do grupo, Valentina Carvalho.

 

Corpus nasceu em 2013, no seio da licenciatura de Língua Gestual Portuguesa da Escola Superior de Educação de Coimbra (ESEC), e conta com 11 pessoas que frequentam ou frequentaram o curso. Valentina Carvalho, que tinha tido formação em teatro, explica que o processo criativo em torno das peças "é feito em conjunto": o aspecto visual é completamente central, tornando as 'performances' acessíveis ao público ouvinte e falante.

 

A reação do público aos espectáculos do Corpus tem sido "muito positiva", especialmente por parte da comunidade surda, com alguns a ficarem "espantados com as cores, com o jogo visual e com a forma como o movimento conta uma história", refere. A encenadora recorda-se de uma pessoa ouvinte lhe dizer que "nem se sente a falta do som ou da música". "A recepção [por parte da comunidade surda] é muito boa e identificam-se com a peça: 'Aquele é um dos meus'", dizem, explica Rafaela Silva, membro do grupo desde o seu início, sublinhando que tem um especial significado para os jovens quando veem "adultos a fazerem teatro e a usarem língua gestual".

 

Para Rafaela Silva, o grupo mostra aos jovens que "são capazes, que são surdos, mas que não é isso que os faz ser menos que os outros". Pedro Ribeiro, de 33 anos, é surdo e optou por entrar no grupo pelos "conhecimentos que se adquirem" no projecto. "No fim das apresentações, sinto-me bem e sinto que aquele sou eu", refere, sublinhando que as pessoas da área da Língua Gestual acabam por ter menos "vergonha" em utilizar o corpo, visto que têm de utilizar o movimento e os gestos todos os dias para comunicar.

 

Ana Oliveira, de 23 anos, que já terminou o curso, afirma que a experiência "é muito boa", recordando que tudo começou com um 'workshop' em Lisboa, com uma encenadora da Suécia que já trabalhava com a Língua Gestual e com o teatro visual. Neste projecto, os membros encontram também uma forma de melhorarem o seu domínio da Língua Gestual, sublinha Raquel Lapa, do Corpus. "Nós criamos em nós próprios algumas barreiras físicas e o teatro é uma maneira de nos libertarmos.

 

Obriga-nos a dar mais expressão, a usar o corpo para transmitir aquilo que queremos e isso acaba por ajudar imenso", realça. O grupo amador atua em mostras e concursos de teatro, apresentações em escolas e também em espectáculos de rua, sempre com o intuito de contar histórias a partir do silêncio do gesto e do movimento.

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que