Porto

Matadouro vai ter gastronomia, arte, empresas e investigação

Espaços de incubação de empresas, estúdios de novos media, lazer, investigação, gastronomia, arte contemporânea e residências

Texto de Lusa • 30/11/2015 - 12:42

Distribuir

Imprimir

//

A A

A Câmara do Porto pretende dotar o antigo Matadouro Municipal de espaços de incubação de empresas, estúdios de novos media, lazer, investigação, gastronomia, arte contemporânea e residências, transformando o equipamento numa âncora da revitalização da zona de Campanhã.

 

A informação consta do "Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano do Porto (PEDU) -- Versão da Candidatura Submetida ao Programa Operacional Regional Norte 2020/Setembro 2015", a que a Lusa teve acesso e que vai ser apresentado ao executivo, "para informação", numa reunião extraordinária agendada para quarta-feira, 2 de Dezembro.

 

"Este pólo deverá configurar-se como alavanca da regeneração urbana da envolvente imediata, designadamente em articulação com os projectos de requalificação previstos para a Praça da Corujeira e para o espaço público que liga ambos. Adicionalmente, espera-se que os efeitos de difusão se alarguem a toda a área oriental da cidade, claramente marcada por um contexto socio-económico vulnerável", explica a autarquia no PEDU.

 

No documento, descreve-se que o novo equipamento "deverá articular múltiplas valências", nomeadamente "espaços de 'co-working' e de incubação, estúdios de novos media, pólo de lazer e de investigação de desporto, museu da indústria, nave multiusos com plateia retractiva, laboratório de gastronomia e restaurante, depósito visitável de colecções de arte contemporânea e residências para participantes nas actividades das diferentes áreas".

 

A isto soma-se uma "nave terminal onde se deverão cruzar as diversas disciplinas artísticas com o tecido e as práticas sociais da área envolvente". O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, revelou no sábado, 28 de Novembro, à Lusa que a iniciativa "Cultura em Expansão", que leva eventos culturais aos bairros da cidade, vai continuar "com mais força" e ter uma componente de "programação permanente" no antigo Matadouro Municipal.

 

O PEDU nota que se pretende criar no Matadouro "um pólo de inovação e de criação, com uma capacidade de atracção, seja no que respeita aos profissionais seja ao nível dos visitantes que se estende a toda a cidade e ao espaço metropolitano". De acordo com a Câmara, é na envolvente do antigo Matadouro e Praça da Corujeira que "se concentram a maioria das unidades industriais desactivadas da cidade, de grande dimensão, que hoje tem uma utilização residual ou se encontram totalmente abandonadas, estando portanto muito aquém do seu potencial de uso, bem como da capacidade de estímulo à regeneração urbana de toda a envolvente".

 

Para a zona daquele equipamento, a autarquia planeou, ainda, "operações de reconversão da estação de recolha da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto (STCP) e da Fábrica A Invencível". Na rubrica do PEDU destinada à Reconversão de Espaços Industriais Abandonados, o município incluiu o projecto de requalificação do quarteirão da Companhia Aurifícia, junto à Praça da República. Para a Câmara, trata-se de uma "propriedade privada cuja reconversão pode vir a assumir impacto significativo no seio do setor mais poente do eixo central da cidade histórica, ligada ao sistema Praça da República, rua Mártires da Liberdade e Praça Coronel Pacheco".

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que