Orienta-te Redes Sociais
Luís Octávio Costa e Amanda Ribeiro têm saudades do inquérito da revista Pública

Luís Octávio Costa e Amanda Ribeiro têm saudades do inquérito da revista Pública



Paulo Pimenta

João Dorminsky

FAQ

Schizzofrenik

Gostamos de inquéritos — e de música. Decidimos encostar à parede pequenas editoras portuguesas. A Schizzofrenik é o "monstro" (com os dentes mais brancos) de João Dorminsky

Texto de Amanda Ribeiro e Luís Octávio Costa • 13/09/2012 - 17:12

Distribuir

Imprimir

//

A A

Ninguém vos disse que já não se vive da música?

Nem sei bem se já nos disseram isso de uma forma tão directa, mas a música não se resume a compor canções. Há muitas formas de sobreviver na música, mas depende muito da forma como encaramos aquilo que se gosta de fazer. Vender rodelas de plástico ou vinil nunca foi a única forma de fazer dinheiro nesta área. Com alguma criatividade chega-se sempre a novas ideias, mas é preciso saber ziguezaguear e adbicar das que não funcionam. Se não se fizer dinheiro com isso, que se façam outras coisas, mas sem esquecer por que começamos. Com vontade é sempre possível arranjar tempo para as nossas paixões.

 

Escolheram o nome da vossa editora numa noitada de Scrabble?

Quase. Com 15 anos tudo parece incrível com z's e k's, e "Schizzofrenik" pretendia ser um nome que traduzisse a não-existência de barreiras criativas e o ecletismo dos projectos da então somente editora. Só queriamos partilhar o que estávamos a fazer, porque tínhamos demasiada música na gaveta. Foi idealizada em 2005 como uma editora focada em lançar projectos de qualquer género musical, sempre como resultado da sua fusão com a música contemporânea. No entanto, só em 2007 é que arrancou na organização de eventos como o Baile dos Vampiros, uma festa temática de música, cinema e cocktails, e o novo Music Drinks, um evento de "networking" gratuito para todos os apaixonados por empreendedorismo e música, que se realiza já no dia 13 de Setembro no Hard Club. Também nos entretemos a fazer compilações temáticas para marcas e andamos dedicados ao desenvolvimento de plataformas informáticas. Por isso, pode-se dizer que a Schizzofrenik está a dar lugar a um "monstro" com os dentes mais brancos.

 

Que bandas de outra editora levariam para uma ilha deserta?

Numa ilha deserta coisa que não deve faltar é tempo! Tínhamos de levar malta bem-disposta e com vontade de fazer coisas diferentes. Adorava juntar Sérgio Godinho, Simone de Oliveira, Tozé Brito, Rão Kyao, José Cid e outros artistas da praça, num projecto de homenagem à música popular portuguesa com um "twist" moderno. A música portuguesa precisa de um empurrão sério para o mundo. Existem bandas incríveis em Portugal como é o caso dos Dead Combo, PAUS, Buraka Som Sistema, Linda Martini, Mão Morta, Micro Audio Waves e Legendary Tigerman, mas é ao ouvir projectos como os Throes + The Shine, We Trust, Black Bombaim, Stealing Orchestra, Swinging Rabbits e muitos outros, que se sente que a música moderna portuguesa merece a oportunidade de chegar ao máximo de ouvidos possível. Mesmo que por vezes seja para puxar pela cabeça. Nem tudo o que é bom é óbvio e fácil de ouvir.

 

A vossa editora tem sotaque?

Talvez sim, talvez não. Há sempre aqueles momentos em foge a língua e aí o sotaque do Porto, Braga, Lisboa e Viana do Castelo sobressai na música de Pi, Tigre Deficiente, Sistema de Som Sarcástico, BlackBambi e Adamastor, mas como valorizamos muito o instrumental, nem sempre chega a ser algo verbal. Como somos muito dados a colaborações, também temos andróides anarquistas com sotaques robotizados em Punk Androids. Fazemos questão de ver a nossa "portugalidade" como parte de um relacionamento intercultural. Deixamos sempre espaço para mais umas línguas estranhas.

 

Quando é que foi a última vez que encheram os bolsos — e o ego?

De certeza que o ego ficou tipo balão no último Baile dos Vampiros com o concerto de Zen, não fossem eles uma das minhas bandas de coração. Foi daqueles momentos únicos, com o Hard Club a abarrotar de gente. Os bolsos, mmm...

 

Um álbum também se come com os olhos. Quem é o verdadeiro artista?

Somos todos uns artistas! Começamos sempre pelo "brainstorm", criamos experiências inesperadas que valorizem os nossos eventos, concertos e edições. Pela experiência que temos, achamos que devemos oferecer algo mais do que o óbvio. Tem sempre a ver com o conceito de cada projecto e até onde o podemos levar através da performance, teatro, vídeo e, por vezes, até mesmo da gastronomia. O design é da autoria da Prumma, empresa de consultoria de design criada por mim e pela Mariana Alpedrinha Valença (design/"business thinker"), e depois temos sempre os nossos amigos talentosos e colaboradores pró-activos: o fotógrafo e amigalhaço Sandro Oliveira, o realizador Victor Carvalho, o "motion designer" Pedro Cruz e o fotógrafo Miguel Oliveira. E não nos podemos esquecer dos 31 artistas (designers, pintores, ilustradores) que fazem parte do calendário de Verão de Tigre Deficiente. Para nós, são a "crème de la crème"! Pode-se fazer daquelas listas de agradecimentos tipo óscares?! Não? Pronto.

 

Qual é o melhor sítio para ouvir música?

Definitivamente em concerto, mas preferencialmente em viagem. São os momentos em que não existem distracções e só o som interessa. Aí sim, é a melhor forma de absorver uma possível banda-sonora para a nossa vida. A nossa música procura isso mesmo: ser uma experiência para os sentidos. Mas para abastecer tem que ser no nosso site ou no nosso Facebook. :D

 

E que tal uma piada seca?

Quantos bateristas são precisos para apertar uma lâmpada?

Resposta: Sete. Um para segurar a lâmpada e seis para se embebedarem até que a sala comece a rodar.

Eu acho que

Pub

Videoclipe.pt
Videoclipe.pt

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Fotografia

Antropólogo apaixonado por fotografia tem milhares de imagens de lugares abandonados, entre Portugal e outros países. Agora, o seu "Proj3ct Urbex" está num...

Bernardo disfarçou-se de turista e...

Livro // Quis olhar para o sector do turismo em Portugal como estrangeiro e, para isso,...