The Legendary Tigerman partiu a cabeça, mas tem cura

autoria Paulo Furtado

// data 13/10/2017 - 11:46

// 1530 leituras

Na semana passada, destacando aqui um videoclipe com a mão da produtora Bando À Parte, referíamos a necessidade deste género, hoje — porque habita na net e já não na televisão— apostar nas “significações cinematográficas”. Dissemos até no “cinema do puro”, aquele sem diálogos, o que narra só com imagens (planos, montagem e som). Ou melhor, aquele que estabelece os princípios dramatúrgicos, ou que os sugere, com propostas dedutivas mais efetivas (significações) e já não abstratas. Como muitos saberão, Paulo Furtado é parceiro de longa data desse gangue maravilha do cinema nacional (acima referido), e com ele tem vindo a explorar a realização. Quer pelos experimentalismos em super8, quer pelo lado concetual para os Wraygun, quer pelo lado ilustrativo das imagens de pose para os Keep Razors Sharp. Mas eis que, para nos avisar da edição do próximo álbum de The Legendary Tigerman, o Misfit, ele partiu a cabeça toda! Numa sexta-feira 13, imagine-se!, apresentou este Fix of Rock’n’Roll, que é um portentoso videoclipe em qualquer parte do mundo, apesar dos recursos mínimos. Há uma imagem fortíssima — como deve ser, para os vídeos ficarem na memória: partir garrafas de cerveja na cabeça —, mas com um prólogo sedutor, sexy, desafiador, enfim, com aquela pica toda do “rock”. E “rola” depois toda aquela lascívia louca que a música e letra pedem para nos apanhar em tensão para o desenlace final, usando aí apenas ruído e sons a... pisar vidros! Saber acabar bem é fundamental hoje para a lógica dos vídeos em social media. Saibam que existem muitos bons cineastas que começaram nos videoclipes, mas quase nenhum grande cineasta veio do cinema para fazer bons videoclipes. É curioso! É que estes têm a sua própria ferida — falta de recursos e de consideração artística —, mas poucos lhe sabem aplicar a própria cura.

 

Texto escrito de acordo com o novo Acordo Ortográfico, a pedido do autor.

Eu acho que