Mirror People e a mulher que atravessou o espelho

autoria Vasco Mendes

// data 17/03/2017 - 19:15

// 3334 leituras

Um realizador da Nouvelle Vague disse uma vez que para fazer um filme bastava uma mulher e uma pistola. Para o nosso Vasco Mendes, que anda há muito a fazer pequenos filmes em videoclipes, também não precisa de muito. Num anterior bastou-lhe um tipo bem vestido, uma bebida e um sapato que ri. E claro, uma cidade. É nela que também se move a personagem do novo vídeo para os Mirror People, o projeto de pop eletrónica do X-Wife(ano) Rui Maia, que nos avisa da edição do segundo álbum “Bring The Light” (31 de março) com este “Crime Scene”. E nos revela uma nova sonoridade “new wave” de oitentas, mais enérgica, mas sintética, maquinal, intrépida. Apetece dizer que do anterior “Voyager” passou da elegância e do conforto de um refúgio soalheiro para o bulício duma cidade nublosa, dúbia, perigosa. Pois, ele há “gente do espelho” que em vez de contemplar, às vezes atravessa-o. E tal como havia um cineasta que fazia uma mulher viver duas vezes (o das vertigens, das cores verdes, e das espirais em remoinho, bem, o melhor filme de sempre), o Vasco faz o mesmo homem morrer várias vezes (o das cenas do crime), e ela dispara — palavra com duplo sentido, como se sabe. Ou com dupla personalidade, quem sabe. Mas que sabe bem ouvir isto assim em vídeo, o Rui sabe-o, e ainda bem.

 

Texto escrito segundo o novo Acordo Ortográfico, a pedido do autor.

Eu acho que