Orienta-te Redes Sociais
Nelson Nunes

Nelson é escritor disfarçado de jornalista armado em investigador

Excerto

Apesar de todas as vicissitudes e particularidades de um festival plantado nos píncaros do que é comercial, até para um melómano o Rock in Rio se aproveita.

Agência Zero

Crónica

Um festival para criar memórias

O grande concerto do Rock in Rio foi o de Lorde. Caramba, a miúda soube transformar a Quinta da Bela Vista num sítio mais intimista que a Aula Magna

Texto de Nelson Nunes • 02/06/2014 - 13:05

Distribuir

Imprimir

//

A A

Entre os verdadeiros melómanos, o Rock in Rio é tudo menos consensual. Festival de massas onde a música pouco conta, notam-se resistências aqui e ali entre quem vem aos concertos e quem vem só para fazer a festa. Aqueles que, como eu, estão do lado da barricada anti-mainstream, não podem deixar de admirar o fenómeno que leva 345 mil pessoas a um espaço confinado com o firme e inequívoco propósito de fazer nascer e preavelecer memórias para o futuro.

 

Em cinco dias de espectáculos, vimos de tudo um pouco. Vimos um espectáculo de variedades apresentado por Robbie Williams, vimos o Frankie Chavez arrebatar uma pequena multidão, vimos o Gary Clark Jr. quase matar de tédio 90 mil almas. As memórias são, decerto, muitas e nem todas são boas. Mas há muito a apontar e nem dez crónicas chegariam.

 

O grande concerto do Rock in Rio foi o de Lorde. Caramba, a miúda soube transformar a Quinta da Bela Vista num sítio mais intimista que a Aula Magna. Num espectáculo também a roçar a perfeição estiveram os Rolling Stones, que deixaram embaraçadas 90 mil pessoas — tomara nós poder andar nos 40 anos e ter metade da pica do Mick e do Keith. Nota ainda para o pedaço de História a que pudemos assistir: o Boss e os Stones no mesmo palco? Melhor só em sonhos.

 

De destacar também o emocionante concerto dos Capital Inicial, desconhecidos para a maioria dos portugueses, mas que, como alguém dizia na assistência, “são os Xutos lá do sítio”. A festança oferecida pelos Arcade Fire é também digna de merecido registo. Antes de um concerto eclético dos Linkin Park, que ia do electrónico ao nu-metal em menos de nada, e onde muitos se impressionavam pela aflição controlada de Chester Bennington durante o seu berreiro já pouco habitual, ainda deu para ver Josh Homme ameaçar, ao seu estilo, um chaval pouco fã de Queens of the Stone Age: “se me apontares de novo esse laser, parto-te o pescoço”. Não deixou de ter a sua graça.

 

O dia da pop foi o que mais emoção trouxe entre os fãs, só comparável à histeria demonstrada no dia anterior, à chegada de Ed Sheeran ao palco. Jessie J e Justin Timeberlake foram reis. Ela, num estilo que terá por certo aprendido com as melhores do ramo, arrebatou uma multidão, aquecendo-a como mandam as regras para o que se seguiria. Ele, artista mais que nato, apresentou um espectáculo competente mas com ares de quem procura ser um sucedâneo do saudoso Michael Jackson.

 

Já o disse antes e torno a dizê-lo: a grande vitória do Rock in Rio, porém, é a transformação do medíocre Sunset num palco secundário em condições. Com a fina nata do que se faz em Portugal e com boas bandas internacionais, entregou ao público menos popularucho muito boas canções. Fazendo apenas uma ressalva, faço minhas as palavras que Hélio Morais atirou em jeito de provocação durante o concerto dos seus Linda Martini: “Bom era se as bandas portuguesas tocassem depois das estrangeiras”. Amén.

 

Apesar de todas as vicissitudes e particularidades de um festival plantado nos píncaros do que é comercial, até para um melómano o Rock in Rio se aproveita.

Eu acho que

Pub

Videoclipe.pt

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Campanha

Em Leiria nasce uma campanha com o objectivo de calçar os pés frios daqueles que ainda esperam em Calais. A ideia é de três jovens, que tentam recolher 1200...

Entre casais também há violações

Vídeo // A realizadora Chloé Fontaine chamou à curta metragem Je suis ordinaire — o que...