Orienta-te Redes Sociais
Mário Rufino é licenciado em Língua e Cultura Portuguesa

Mário Rufino é licenciado em Língua e Cultura Portuguesa

Dois anos de P3

Este domingo, dia 22 de Setembro, o P3 completa dois anos. Pedimos aos nossos cronistas para avançarem mais dois. Como será 2015?

Daqui a dois anos, a produção e recepção de literatura serão consideradas crimes de desobediência. O governo reeleito ordenará a eliminação da Literatura dos programas escolares. A falta de utilidade dos livros, segundo o governo, obriga a que os alunos transformem os livros em papel reciclado para fins de exportação. Perdeu-se demasiado tempo em actividades lúdicas e nada produtivas. 'Produzir e não ler! Eis o caminho a escolher!'"

DR

Crónica

2015: Valter Hugo Mãe, Afonso Cruz e Valério Romão terão pseudónimos escandinavos

Prevejo que Valter Hugo Mãe, Afonso Cruz e Valério Romão escolham pseudónimos escandinavos e quadrupliquem a venda dos seus livros em Portugal

Texto de Mário Rufino • 20/09/2013 - 18:03

Distribuir

Imprimir

//

A A

Fui desafiado a escrever sobre este tema: “O que será a literatura daqui a dois anos?”. A tarefa revelou-se de dolorosa execução, pois não prevejo nada de bom.

 

A informática já ocupa muito tempo na nossa vida: lemos em computadores, "ereaders", "tablets" e (cada vez menos) em papel.

 

A informação chega a todo o lado. A literatura, também… Mas duvido muito que assim seja no futuro.

 

Nos próximos dois anos, ou seja até 22-09-2015, prevejo que Valter Hugo Mãe, Afonso Cruz e Valério Romão escolham pseudónimos escandinavos e quadrupliquem a venda dos seus livros em Portugal. Mantêm exactamente a mesma qualidade, mas são muito mais acarinhados pela crítica literária e, em consequência, pelos leitores.

 

Alguma crítica literária continuará a desvalorizar a escrita de Gonçalo M. Tavares. Enquanto isso, o autor vai escrevendo, publicando, vendendo, sendo lido, traduzido, e ganhando prémios.

 

O PM será fotografado com o livro de Camilo Lourenço, “A Inutilidade do Ensino da História”, e um outro de Rita Ferro, “A menina é filha de quem?”, Prémio PEN 2012.

 

António Lobo Antunes continuará a ameaçar deixar de escrever, enquanto produz mais livros iguais aos outros. Saramago continua a ser o único português a ganhar o Nobel da Literatura.

 

E chegamos a 22-09-2015

 

Daqui a dois anos, a produção e recepção de literatura serão consideradas crimes de desobediência.

 

O governo reeleito ordenará a eliminação da Literatura dos programas escolares. A falta de utilidade dos livros, segundo o governo, obriga a que os alunos transformem os livros em papel reciclado para fins de exportação. Perdeu-se demasiado tempo em actividades lúdicas e nada produtivas. “Produzir e não ler! Eis o caminho a escolher!”

 

Os leitores emigram, e o governo congratula-se com a medida tomada. “Entregamos o país aos úteis, a quem produz!”, afirma o PM. As eleições são adiadas “até o povo estar devidamente informado”, segundo o exemplo de outros referendos concretizados pela UE.

 

A sede da Fundação Saramago torna-se um lugar de refúgio para leitores clandestinos.

 

Os reformados são chamados ao activo. Ficarão responsáveis por formar rolos de papel higiénico reciclado. Este é o produto mais exportado. Em todas as casas-de-banho da Europa há um rolo “Produziert in Portugal”.

 

Inspirado nos computadores “Magalhães”, o governo promove a produção do tablet “Salazar” para uso desde o ensino primário ao universitário.

 

A abolição do livro crê-se como definitiva.

 

No entanto, esses mesmos tablets serão usados para captar as páginas de internet P3 e Ípsilon, suplementos do jornal Público, tais como os avós captavam as rádios e tvs piratas.

 

A literatura subsiste nos ficheiros informáticos e é divulgada através da oralidade, nos encontros clandestinos. Passadas algumas décadas, essa literatura oral será escrita nesse objecto de culto e tão resiliente: o livro. 

 

No dia da libertação, o escritor libertará a palavra e o povo será, novamente, livre:

 

“Levanta-te e lê”, dirá.

Eu acho que

Pub

Videoclipe.pt
Videoclipe.pt

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Festival

Entre música, manobras de skate, campeonatos de matraquilhos, mergulhos na piscina e passeios pelas ruas de Barcelos o dia 2 do festival foi marcado pela maior...

Salvador, o vencedor do Festival da...

Ilustração // A euforia começou por ser portuguesa: Salvador Sobral interpretou a canção que...