Orienta-te Redes Sociais
Madalena Santos

Madalena Santos, jovem escritora do Porto, já dá cartas na literatura histórico-fantástica Sofia Romualdo

Literatura

"A escrita em Portugal não alimenta", mas Madalena Santos ainda tenta

Madalena Santos tem 25 anos e é um jovem talento da Literatura. Sabe que é cada vez mais difícil editar livros em Portugal, mas não quer deixar de tentar

Texto de Maria Soares/JPN • 21/01/2013 - 17:21

Distribuir

Imprimir

//

A A

Tem apenas 25 anos e conta já com quatro livros publicados num país em que "a escrita não alimenta". Madalena Santos começou a escrever aos 12 anos, e hoje é a única autora portuguesa a publicar na colecção 1001 Mundos, das Edições ASA.

 

Foi em 2006 que a jovem escritora publicou o seu primeiro livro, "O Décimo Terceiro Poder", e inaugurou a saga "As Terra de Corza", de um romance histórico-fantástico, que culminou no 4.º volume. A narrativa passou-se num "espaço completamente inventado", mas que tem uma estrutura muito baseada na Europa", diz. Também a época é desfasada do tempo, mas influenciada por momentos muito específicos da história mundial, desde a Idade Média ao início da Industrialização.

 

Esta saga já terminou para a escritora, ainda que qualquer um a possa reviver, mas Madalena não pára e está actualmente a escrever um novo enredo.

 

O leitor português "fica de pé atrás"

Apesar de ser "sempre um túmulo antes de acabar um livro", não resistiu a desvendar-nos um pouco da nova história. "Cada capítulo é começado pela história de um agricultor que se vai cruzando com as personagens e com o enredo principal. Num tom jocoso e, por vezes, dramático, vou contar a história desse agricultor, que será uma grande metáfora a tudo o que vai acontecer, em cada capítulo, às personagens principais", alicia.

 

Quase a terminar a obra, que deverá ser lançada ainda este ano, Madalena admite que actualmente é muito difícil editar um livro em Portugal. "As coisas estão mais complicadas porque as editoras estão muito menos ousadas, jogam mais pelo seguro, apostam em best-sellers que já vêm com uma máquina de marketing preparada e não estão com vontade de apostar em novos autores," explica.

 

No entanto, a jovem acredita que a literatura fantástica em Portugal tem qualidades para competir com os grandes nomes internacionais. Falta o apoio "não só das editoras, mas também do público", garante. "Nota-se que o leitor português fica sempre um bocadinho com o pé atrás quando vê que o livro foi escrito por um português".

 

Ainda assim, nem o preconceito a impediu de, em 2010, manter-se quatro semanas consecutivas no TOP 10 d'Os Mais Vendidos da FNAC, com o último volume da saga.

 

Escrever é quase um "trabalho pro bono"

Ligada aos livros desde sempre, não se lembra do primeiro que leu, mas recorda-se que do primeiro que escolheu para ler. Foi o "Dentes de Rato", de Agustina Bessa-Luís, que primeiro a conquistou. A infância recheada de livros e o facto de ter começado a escrever em tenra idade, fizeram com que, para Madalena, escrever já faça parte dela. "Não me concebo de outra maneira senão a escrever. Preciso desse escape. É uma evasão ao dia a dia", afirma.

 

Por enquanto, Madalena Santos vai continuar a fazer o que gosta. Apesar de lhe ocupar muito tempo e, em Portugal, a literatura ser mais um "trabalho pro bono" do que propriamente um emprego, é sem dúvida o passatempo que lhe dá mais prazer.

Eu acho que

Pub

Ilustração P3

Neurociências

Joana Barroso

Investigadora da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto destacou-se com um projecto sobre o papel que o cérebro desempenha na dor crónica e venceu a...

“Continua a valer tudo nas ofertas de...

Entrevista // Plataforma de denúncia de emprego precário e ilegal Ganhem Vergonha reuniu...