Orienta-te Redes Sociais

DR

DC

O Lanterna Verde recrutou um árabe-americano

Tanto o novo super-herói da DC Comics como o seu criador têm ascendência libanesa. Simon Baz usa uma tatuagem no braço com a inscrição árabe "coragem"

Texto de P3 • 12/09/2012 - 11:50

Distribuir

Imprimir

//

A A

O que é que Geoff Johns e Simon Baz têm em comum? O escritor (e director criativo da DC Comics) como o mais recente super-herói árabe-americano têm um passado comum.

 

Tanto o herói — que surge num número especial do Lanterna Verde — como o seu criador têm ascendência libanesa, sendo que ambos cresceram num subúrbio de Detroit, onde se estabeleceu uma das maiores e mais antigas comunidades árabes dos Estados Unidos, país que recebeu muitos emigrantes na região ansiosos por trabalharem na então emergente industria automóvel. “Pensei muito nisso e em tudo o que me soava familiar”, contou Johns, 39 anos, à Associated Press.

 

“Esta é uma história muito pessoal”. Baz, que aos dez anos assistiu através da televisão aos atentados do dia 11 de Setembro de 2001 no World Trade Center, também é um engenheiro desempregado que, por força das circunstâncias, se transformou num ladrão antes de ter sido escolhido pelo poder do anel verde. “Trata-se de criar um super-herói que é diferente de todos os outros no universo DC”, junta Geoff Johns, recordando que a grande maioria dos heróis foram criados entre os anos 40 e 60.

 

O herói improvável (Baz é o quinto seguidor terrestre do Lanterna Verde; o último, em 1994, tinha sido Kyle Rayner) tem tatuado (e as tatuagens são proibidas pela lei islâmica) num dos braços a palavra “coragem” em árabe.

 

Refira-se que a DC lançara em 2010 o herói Nightrunner, de ascendência argelina, um ajudante de Batman no combate ao crime, e que a Marvel também tem ao seu serviço a heroína Dust (nome verdadeiro Sooraya Qadir), uma jovem mulher afegã com capacidade de manipular areia.

Eu acho que

Pub

Videoclipe.pt
Videoclipe.pt

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Biofabricação

Miguel Castilho desenvolve substitutos de tecidos vivos. Regenerar em vez de substituir é o princípio que orienta o trabalho diário em biofabricação e já valeu...

Arquitectura: estas são as melhores...

Fotografia // Os finalistas dos Arcaid Images Architectural Photography Awards 2017 foram...