Orienta-te Redes Sociais

Ricardo Alves Lopes é licenciado em Marketing, apaixonado pela escrita e enamorado pela vida

gileslane/Flickr

Crónica

Os escritores online

Na internet, como em tudo o resto, existem problemas, no entanto, pelos indicadores, diria que existem mais vantagens que agruras, para os escritores.

Texto de Ricardo Alves Lopes • 14/06/2012 - 18:26

Distribuir

Imprimir

//

A A

São comuns as conversas sobre qual o peso das novas tecnologias na literatura. "Nada pode substituir aquele cheiro do papel", será, porventura, das frases mais escutadas. Será ela verdade? 

 

É certo que a preocupação é legítima, nomeadamente, pela possível difusão integral de publicações na internet. Um pouco à imagem do que sucede com a indústria musical, fenómeno que, sem sucesso, se tentou travar. Com a diferença de, neste caso, os concertos lograrem ser a recompensa dessa usurpação, como comprova a posição de grandes músicos internacionais em relação ao SOPA. Será então possível a comparação da literatura com a música? Eu diria que, em parte, sim. 

 

Vejamos: qual é o grande motivo para alguns dos maiores nomes da música serem a favor do “roubo” dos seus direitos? A forte notoriedade, que advém dessa difusão, principalmente nas redes sociais.

 

Começa a tornar-se comum - como atestam a Ana Free e Mia Rose, em Portugal – o aparecimento de novos artistas pelo youtube. Dessa forma, os que já alcançaram altos níveis de aceitação, percebem que devem manter-se atentos a essa evolução do consumo, de modo a não caírem no esquecimento.

 

Com a literatura, o nível de notoriedade poderá também ser alavancado através da Internet. Dois dos mais jovens, e consagrados, escritores portugueses da actualidade têm uma presença muito interessante e dinâmica nas redes sociais. Eu, confesso: sou magnetizado pela proximidade que essa interactividade cria. Falo de José Luís Peixoto (JLP) e Valter Hugo Mãe (VHM).

 

Recentemente, por exemplo, o próprio JLP difundia parte de uma crónica, sua, no Facebook, e pouco tempo depois estava próximo dos 500 likes e das 100 partilhas. VHM, por sua vez, avisava, no mesmo dia, que de tarde estaria indisponível por estar a terminar um texto, conseguindo em menos de uma hora mais de 20 likes. Sendo ainda possível ver outras pessoas do panorama cultural e do entretenimento ajudarem a essa disseminação. Bruno Nogueira publicava uma crónica de Miguel Esteves Cardoso, acerca das boas notícias em relação à doença da sua mulher, que ultrapassava as mil pessoas a gostarem e as 100 a compartilharem. Conseguem imaginar o alcance destas publicações? 

      

Não é de descurar um estudo do Observatório das Actividades Culturais (OAC) que demonstrava um aumento significativo das editoras em Portugal durante a anterior década. Década, essa, que foi onde se cimentou o mundo virtual. Na internet, como em tudo o resto, existem problemas, no entanto, pelos indicadores, diria que existem mais vantagens que agruras, para os escritores. 

Eu acho que

Pub

Videoclipe.pt

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Fotografia

Disciplina. Atenção. Aperfeiçoamento. Amor. Expressão. Até tocar nas estrelas. São todas estas "aspirações humanas" que o australiano Niv Novak encontra no...

Maria vive para os Animais de Rua

Perfil // Advogada, activista e presidente de uma associação de protecção de animais,...