Tower Block Books

Ilustração

Num livro ilustrado podem caber todos os sítios do mundo

A Tower Block Books quer reunir num livro as histórias de vários sítios e lugares. Não há fronteiras impostas e todos os artistas, ilustradores e arquitectos do mundo estão convidados a participar com um desenho a preto e branco

Texto de Nuno Rafael Gomes • 02/11/2017 - 19:23

Distribuir

Imprimir

//

A A

Contam-se histórias desde sempre: seja oralmente ou através de pinturas rupestres, narrar acontecimentos é inerente à condição humana. Muitas surgem a partir de determinados locais, que coleccionam momentos de quem por eles passa. E é de sítios e de edifícios que se faz o novo projecto da Tower Block Books, a micro-editora londrina que se dedica às ilustrações infantis sobre os lugares que nos acompanham diariamente. Essa aposta vem com um convite: contar a história sobre um lugar através de um desenho e de um pequeno texto. 

 

Há histórias em qualquer sítio do mundo. As estantes da biblioteca, a estação do metro ou o banco do jardim da praça coleccionam as memórias de quem por lá foi passando. Para Rute Nieto Ferreira, a portuguesa por detrás da Tower Block Books, todos os sítios interessam. “Um país é um sítio, mas uma rua também é, e o espaço debaixo das escadas também — por isso, pode-se dizer que temos muito com que brincar”, explica. Nesse sentido, a arquitecta, que entretanto se tornou editora, aliou o interesse pelo design e pelo urbanismo à curiosidade em entender a percepção que os mais novos têm “de espaço comum, bairro, sociedade e comunidade”. O primeiro fruto dessa junção deu-se em The Big Letter Hunt in the East End of London, um livro que resultou de ilustrações das letras que se descobriam em edifícios daquela cidade, sobre o qual já falámos no P3.

 

Desta vez, a editora expande a abordagem, e as ilustrações que procura podem vir de qualquer parte do mundo, com o objectivo de se reunir uma “selecção ecléctica de desenhos”, como se pode ler na página da Tower Block Books. A ideia surgiu depois de Rute observar “crianças no Reino Unido, nos Estados Unidos e em Portugal a serem expostas a estes conceitos por volta dos cinco e seis anos”, o que, na sua opinião, se revela “fundamental para introduzir a ideia de espaço público e cidadania”. Para além disso, esta não é uma conversa que se costuma ter em casa, e “os materiais educativos na sala de aula são pouco inspiradores”.

 

Até 11 de Dezembro, o desenho a preto e branco do teu sítio favorito pode ser submetido na página da editora, cujos livros se encontram disponíveis na It’s a Book, em Lisboa, e na Circo de Ideias, no Porto. Quanto a este projecto, Rute avança que fará “de tudo para que chegue a Portugal”, podendo apostar numa “edição bilingue em inglês e português”.

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que