Crowdpublishing

E-Primatur: editora financiada por leitores já publicou 21 livros

Projecto português de crowdpublishing apresenta propostas de livros, calcula a verba necessária para os publicar e o valor de doação por pessoa. E-Primatur tem uma média de 20 apoiantes por livro

Texto de Lusa • 06/03/2017 - 13:48

Distribuir

Imprimir

//

A A

A E-Primatur nasceu para editar livros de referência, financiados pelos leitores, um projecto inovador que apesar de se ter visto perante riscos, num país de pouca leitura, tem conseguido ultrapassar as expectativas, segundo o mentor da iniciativa. "Imprima-se" é o que significa a palavra latina Imprimatur, que era gravada no selo que a Inquisição usava para indicar que um determinado original podia ser impresso e que serviu de inspiração para baptizar o projecto editorial de Hugo Xavier, Pedro Bernardo e João Reis.

 

"E-Primatur é o Imprimatur dos leitores, que pela primeira vez têm a palavra final" quanto à impressão de um livro. Hugo Xavier, que foi c-fundador da Cavalo de Ferro e passou pela Ulisseia, do grupo Babel, estava desempregado; Pedro Bernardo estava na Almedina mas queria outro tipo de desafio; e João Reis foi editor da Eucleia e dominava as línguas escandinavas. Assim se juntaram com a ideia de, "como leitores, procurar o que faz falta no mercado, livros de referência e grandes clássicos", obras consideradas essenciais que marcaram leitores e foram capazes de mudar mentalidades, explicou à Lusa Hugo Xavier.

 

Tentaram inspirar-se em modelos usados no estrangeiro, como o de uma editora americana que anuncia o número de livros a publicar ao longo do ano e arranja subscritores. "Em Portugal nunca acreditei na subscrição. Era preciso comunidades muito unidas de leitores e não há", confessou. O passo seguinte foi, então, descobrir como poderiam criar essas comunidades de leitores e agir como um todo.

 

"Foi um bocadinho perceber: se leio um livro de que gosto, recomendo aos meus amigos e a melhor maneira de passar isto é através de redes sociais e, depois, criar um sistema de interacção entre o leitor e a editora", afirmou. Criado o grupo de leitores que acompanha e interage com a editora, que recomenda, partilha e, assim, chama mais leitores também a participar e a replicar, estava preparado o terreno para fixar um projecto editorial baseado na angariação de fundos, em que os leitores possam contribuir para financiar a publicação de livros.

 

Boa evolução

Trata-se de um projeto de crowdpublishing (vertente do crowdfunding para a edição de livros), que consiste em apresentar propostas de livros a editar, calcular a verba necessária para os editar, estipular um valor de doação por pessoa e o número de pessoas necessárias para se conseguir, com o total de doações, tornar o livro realidade. Caso não seja possível produzir o livro, ou o dinheiro é devolvido aos apoiantes ou a E-Primatur cobre a verba em falta e publica-o.

 

Hugo Xavier sabia que o projecto seria arriscado, tendo em conta que "o número de leitores em Portugal é muito reduzido, muito inferior ao resto da Europa", disse à Lusa. "Temos menos de 5% da população a ler. Então, como sobrevivemos? Pelo 'passa-palavra', pela recomendação, pela qualidade dos leitores. Ninguém explora isso, nós quisemos fazê-lo", acrescentou. Aqui entra, uma vez mais, o papel fundamental das redes sociais, não só para divulgação dos projectos pela editora aos leitores, mas para que estes possam partilhar com amigos, com aquelas pessoas que sabem que gostariam também de ler "aquele livro".

 

É desta forma que o projecto vai crescendo, como tem vindo a acontecer: "Começou com cerca de cinco pessoas e neste momento tem uma média de 20 apoiantes por livro, não há semana que não tenhamos duas a três novas inscrições — e a maioria corresponde a compras —, temos quase 2.000 pessoas inscritas no 'site', temos 21 livros publicados e 10 projectos em votação", afirmou Hugo Xavier.

 

A "evolução é bastante boa" e, comparativamente, a editora está a "crescer mais do que um grande grupo editorial", mas Hugo Xavier não tem ilusões e sabe que só daqui a três anos é que talvez consiga tirar dinheiro para ordenados. "O que mais nos onera neste momento é que o dinheiro, quando cai na conta, tem que ser investido em reimpressões. O que é bom, mas não dá lucro".

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que