Orienta-te Redes Sociais
O escritor Luís Filipe Silva criou uma colectânea pouco convencional

O escritor Luís Filipe Silva criou uma colectânea pouco convencional: uma antologia com autores ficcionais Daniel Rocha

Capa de “Os Anos de Ouro da Pulp Fiction Portuguesa – os melhores contos do séc. XX” (2011)

Trailer de "Pulp Fiction" (1994), de Quentin Tarantino

x-ray delta one/Flickr

Pulp fiction à portuguesa

Livros

A "pulp fiction" portuguesa tal como ela poderia ter sido

“Os Anos de Ouro da Pulp Fiction Portuguesa” é a evocação de “um passado glorioso que merecíamos ter tido”. A brincadeira que engana muitos leitores é de Luís Filipe Silva

Texto de Ana Maria Henriques • 17/01/2012 - 19:35

Distribuir

Imprimir

//

A A

Gosta de ficção científica e um dia teve uma ideia para uma colectânea de literatura popular (ou de cordel) nacional — ou, por outras palavras, "pulp fiction" à portuguesa. Mas atenção, esta não é uma colectânea convencional. É tudo ficção, avisa Luís Filipe Silva, para início de conversa. Uma espécie de história revisitada, portanto. Passamos a explicar.

 

A intenção foi clara desde o início do projecto, que no total ocupou quatro anos: “Elogiar, evocar o espírito da 'pulp'”, resume Luís, para quem estas histórias não tinham aspirações literárias, com uma ficção “normalmente má”. Mas, como em tudo, existem excepções — “sagas memoráveis, cheias de aventuras entusiasmantes em cenários maravilhosos” — que se destacam e ficam na memória (“Tarzan”, “Zorro”, “O Sombra”).

 

O filme de Quentin Tarantino já tinha procurado “elogiar a 'pulp fiction' enquanto género literário, à semelhança de alguma banda desenhada”, mas Luís Filipe Silva quis transportar essa homenagem para o panorama português, evocando “um passado glorioso que merecíamos ter tido”.

 

Realidade "versus" ficção

“Nada melhor do que, a partir de um concurso literário, ‘inventar’ uma 'pulp fiction' portuguesa para os apresentar. Criar autores e biografias e uma história do género ficcional, com heróis e um dinamismo literário que, efectivamente, não tivemos”. Tudo para provar que teria sido possível, “de forma legítima, que super heróis e aventureiros percorressem as ruas de Lisboa”.

 

E foi isso mesmo que Luís Filipe Silva se propôs conseguir. Trabalhando em equipa, organizou a escrita de 13 biografias de autores fictícios, responsáveis pelos 13 contos, alegadamente editados em 13 publicações distintas. Algumas “fizeram história”, como a “Mundo de Aventuras”, outras não existiram — “a não ser, talvez, numa realidade alternativa”.

 

O verdadeiro nome dos autores das histórias encontra-se oculto e disperso pelo livro, “normalmente nas próprias biografias”, revela Luís, que teve nas mãos o poder de imaginar e articular os detalhes destas, bem como os textos de enquadramento “histórico” e a introdução geral, num trabalho de reconstrução histórica.

 

Para tal contou com o auxílio de um segundo Luís, o editor Luís Corte Real, da Saída de Emergência, que encetou uma recriação gráfica. Vasculhou em dezenas de revistas da época à procura de “ilustrações, feitios, formatos, anúncios, para ‘envelhecer’ os contos e apresentá-los com a imagem e a sensação da verdadeira 'pulp'” - já percebemos, assim, a formatação a duas colunas, as fontes distintas e as figuras que povoam a maior parte de “Os Anos de Ouro”.

 

O primeiro Luís deixa um desafio ao leitor: “Descobrir o que é real e o que não é, esperando que, no processo, venha a encontrar a boa ficção popular que se veio publicando por cá nas últimas décadas”. Do herói “de queixo quadrado a salvar eternamente a donzela frágil” já não se livra.

Eu acho que

Pub

Videoclipe.pt
Videoclipe.pt

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Fotografia

"A geração retratada na minha série fotográfica ["Come Hell or High Water"] é a dos jovens que atingiram a idade adulta no momento da viragem de século, os...

A realidade nua e crua de um parto...

Fotografia // "Alerta: um parto é acontecimento bonito, mas é também turbulento e...