Orienta-te Redes Sociais
Emanuel Madalena

Emanuel Madalena

DR

"O Pintor Debaixo do Lava-Loiças"

Crónica

A forma como ilustramos a memória

Em "O Pintor Debaixo do Lava-Loiças", Afonso Cruz mostra que sempre se encontram "histórias que dariam histórias" na vida dos antepassados

Texto de Emanuel Madalena • 22/12/2011 - 18:33

Distribuir

Imprimir

//

A A

Além de escritor, Afonso Cruz (n. 1971) é músico, cineasta e ilustrador (como se não bastasse, também produz a sua própria cerveja). Como escritor e ilustrador vem sendo premiado em Portugal, destacando-se, entre os livros da sua ainda curta obra, o fragmentário "Enciclopédia da Estória Universal", o juvenil "Os Livros que Devoraram o Meu Pai", ou o notável "A Boneca de Kokoschka". A sua escrita transparece um gosto especial pela construção de um imaginário narrativo denso e rico, muitas vezes labiríntico e consciente do peso especial que a fantasia pode ter quando surge de surpresa numa base realística.

 

É essa construção a partir do verídico que acontece em "O Pintor Debaixo do Lava-Loiças", baseado num pintor eslovaco que os avós de Afonso Cruz albergaram deveras em 1940. Com medo da PIDE (ainda PVDE, na altura), o pintor dormia debaixo do lava-loiças. No entanto, a maior parte do livro é a história prévia da vida de Jozef Sors (o nome do homem real era Ivan Sors), de tudo aquilo que o levou até ao refúgio na casa de uma família da Figueira da Foz.

 

Nasce em Bratislava, em 1985, filho de uma engomadeira conformista e de um mordomo incapaz de entender metáforas. Os pais trabalham para o coronel Möller, pai de Wilhelm, um rapaz da mesma idade que vive obcecado pelas palavras, tal como Jozef cedo se compromete a desenhar o mundo. O seu espírito sensível impede-o de seguir a retidão e o ascetismo que defende como sendo a única forma de chegar mais alto, como uma árvore que crescesse melhor por não ter de suportar a dispersão dos ramos.

 

Porque deves ler este livro?

Além de todas as ilustrações que se percebem logo ao folhear o livro, nomeadamente os inúmeros olhos que invocam os cadernos onde Josef Sors desenha, este romance é polvilhado com diversas reflexões convocadas pelos personagens sobre temas como a arte, o amor, o tempo, a guerra, a cultura e as palavras, entre outros, brincando com conceitos de forma por vezes surpreendente, e sempre poética e filosófica. Os aforismos diluem-se na prosa e aparecem sem grande alarido, o que, juntamente com uma narrativa incisiva mas constante, resulta numa escrita fluida servindo uma história imaginativa e rica.

 

À medida que vamos conhecendo a vida de Josef Sors desde a infância e adolescência em Bratislava, onde desenha no "livro infinito" o seu amor incorpóreo por Frantiska, a sua vizinha neurótica e cruel, até à sua chegada a um Portugal fatalmente sufocado pelo pessimismo ("o nosso sucesso é uma ponte entre dois fracassos"), assistimos também a parte da história e cultura europeia. Sors estuda arte em Praga e vive alguns anos nos Estados Unidos até acabar em Portugal, ansiando sempre pela cura - ou redenção - de um problema de visão que o vem cegando desde o gás mostarda das trincheiras da primeira guerra mundial.

 

Afonso Cruz criou esta história a partir do pouco que sabia - alguns dados biográficos e dois quadros - sobre o pintor que em tempos viveu debaixo de um lava-loiças. O que nela é verdadeiro descobre-se num curto epílogo encantador e pungente, onde se entrelaçam as histórias das vidas dos seus antepassados mais próximos, uma vez que "por vezes é uma viagem muito mais difícil: chegar a quem está perto".

Eu acho que

Pub

Videoclipe.pt
Videoclipe.pt

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Fotografia

"A geração retratada na minha série fotográfica ["Come Hell or High Water"] é a dos jovens que atingiram a idade adulta no momento da viragem de século, os...

Salvador, o vencedor do Festival da...

Ilustração // A euforia começou por ser portuguesa: Salvador Sobral interpretou a canção que...