Orienta-te Redes Sociais
Emanuel Madalena

Emanuel Madalena

Nuno Ferreira Santos

Gonçalo M. Tavares

Crónica

O escritor da câmara de filmar

Em “Short Movies”, Gonçalo M. Tavares dá vida e vontade à câmara de filmar, em pequenas narrativas fortemente visuais

Texto de Emanuel Madalena • 09/12/2011 - 18:42

Distribuir

Imprimir

//

A A

Gonçalo M. Tavares (n. 1970) é um escritor atípico. Publicou, em apenas uma década, mais de trinta livros de géneros tão diversos como romance, poesia, conto ou epopeia. Contudo, encontra-se por entre esta aparente heterogeneidade uma coerência invulgar, tanto ao nível das temáticas como — mais raro ainda — da qualidade. A obra de Gonçalo M. Tavares dinamita frequentemente as convenções da literatura, numa escrita carregada de filosofia e reflexão sobre o mundo e os homens, por vezes cerebral e meticulosa, noutras contemplativa ou irónica.

 

Este ainda jovem escritor é já um valor seguríssimo e consensual para a literatura portuguesa, prometendo voos cada vez mais altos. Assim o previu José Saramago, em 2005, quando revelou que lhe dava vontade de bater em Tavares por este, então com apenas 35 anos, escrever tão bem, vaticinando-lhe o prémio Nobel para o futuro. Por enquanto, além do Prémio Literário José Saramago para o admirável romance “Jerusalém”, que consubstanciou essa admiração, Gonçalo M. Tavares recebeu já dezenas de importantes prémios em Portugal – como o Grande Prémio de Romance APE 2011, ou o Prémio Sociedade Portuguesa de Autores para a melhor ficção narrativa 2010 -, e lá fora – como o Prémio Portugal Telecom 2007, no Brasil, ou o Prix du Meilleur Livre Étranger 2010, em França, para o excelente “Aprender a rezar na Era da Técnica”. Os seus livros estão traduzidos em dezenas de línguas e são publicados em 44 países.

 

Gonçalo M. Tavares costuma deixar repousar os seus livros na gaveta (que se adivinha repleta), resgatando-os eventualmente para os lapidar com um novo olhar e dá-los à estampa. Vai conseguindo assim uma profusão de publicações em várias editoras, e não tem havido ano que termine sem dois ou três livros editados. Saíram recentemente dois títulos: “Canções Mexicanas”, inspirado numa visita a esse país, e “Short Movies”, o mote deste artigo.

 

Porque deves ler este livro?

Fazendo o papel de um benévolo e compreensivo juiz da humanidade, o autor descreve o olhar e as deambulações da câmara de filmar, adivinhando-lhe intenções e vontades, em cerca de setenta micronarrativas — variando entre um parágrafo e as três páginas de extensão — que correspondem a pequenas “curtas-metragens”, ou simplesmente a cenas fugazes que adivinham uma narrativa maior.

 

Nestes fragmentos — alguns deles publicados previamente em jornais e revistas — Gonçalo M. Tavares observa minuciosamente a estranheza do mundo e as contradições dos homens, jogando habilmente com o absurdo e a surpresa. A câmara de filmar é uma personagem que constrange ou possibilita o olhar, e por isso estes textos são preponderantemente contemplativos, deixando para o leitor a interpretação, o julgamento e a descoberta das intenções e sentidos dos acontecimentos.

 

Não sendo o seu livro mais significativo, “Short Movies” é uma excelente adição para a obra enciclopédica deste valor maior da literatura portuguesa, inaugurando uma nova “série” de livros que promete continuação.

Eu acho que

Pub

Videoclipe.pt

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Fotografia

Edgar Martins foi o primeiro português a vencer um prémio dos Sony World Photography Awards, na categoria de Natureza Morta (Still Life), com um projecto que...

Estes gémeos são iguais, mas...

Fotografia // Hermon e Heroda são gémeas idênticas e, inexplicavelmente, perderam a audição...