Orienta-te Redes Sociais
Sónia Balacó é actriz, membro da companhia Há.Que.Dizê.Lo e vive entre Londres e

Sónia Balacó é actriz, membro da companhia Há.Que.Dizê.Lo e vive entre Londres e Lisboa

Excerto

Ao oferecer em cada poema múltiplas variações do mesmo, Pessoa coloca nele todas as opções em simultâneo e ao mesmo tempo e só com a chegada do editor passa então a existir uma. O poema de Pessoa está para a literatura como o gato de Schroedinger está para a física quântica.

DR

Crónica

Fernando Pessoa escolha-múltipla

Sempre senti que, por ser publicado tão tardiamente, Pessoa era nosso contemporâneo, a escrever para nós e connosco, um par a lançar ideias para o nosso tempo

Texto de Sónia Balacó • 24/03/2015 - 17:21

Distribuir

Imprimir

//

A A

Estive na Casa Fernando Pessoa a assistir ao lançamento do livro “Poemas de Alberto Caeiro”, uma edição crítica de Ivo Castro publicada pela Imprensa Nacional Casa da Moeda. A sessão foi apresentada por Richard Zenith e a conversa entre este e o editor volveu sobretudo em torno das divergências de posição face a um problema que a edição da obra de Pessoa traz.

 

O poeta deixou escritas em torno de grande parte da primeira versão dos poemas inúmeras hipóteses de palavras que poderiam substituir as originais, o que força os editores a decidir palavra a palavra e poema a poema qual a variante a publicar. Debatem-se estes sobre qual seria a intenção do autor, qual a versão do poema a que ele terá chamado final.

 

Zenith é apologista de uma certa interpretação por parte do editor, que intuirá qual das versões é a mais bem conseguida e a que se aproxima mais do espírito geral da obra. Castro defende que se deve sempre escolher a versão mais recente, a qual por certo, ao ser a última, corresponde à versão que o autor teria por final. Zenith relembra, contudo, que Pessoa não risca nenhuma das hipóteses prévias ao acrescentar uma nova, deixando tudo em aberto.

 

Mas e se nenhuma das variantes do poema for a correcta? Como se vê pelas inserções de novas palavras com diferentes lápis e canetas, o processo meticuloso de Pessoa passava por uma revisitação dos textos, aos quais ia acrescentando novas e variadas soluções. A intenção parece ser a de fazer a escolha num futuro a que não chegou.

 

Sempre senti que, por ser publicado tão tardiamente, Pessoa era nosso contemporâneo, a escrever para nós e connosco, um par a lançar ideias para o nosso tempo. Contudo acredito que a sua contemporaneidade se deve não só a isto, mas também ao facto de ter deixado uma obra que reflecte até ao nível mais profundo a realidade de uma maneira que agora começamos a entender melhor.

 

Ao oferecer em cada poema múltiplas variações do mesmo, Pessoa coloca nele todas as opções em simultâneo e ao mesmo tempo e só com a chegada do editor passa então a existir uma. O poema de Pessoa está para a literatura como o gato de Schroedinger está para a física quântica. Quando encerrado na folha anotada diversas vezes com outras opções de palavras, o poema contempla tudo e todas as hipóteses vivem ao mesmo tempo, contradições e paradoxos incluídos, o que supera a afirmação de totalidade da sua obra como a conhecemos, e a materializa.

 

Confesso que acho pouco importante tentar adivinhar a intenção final do poeta porque me parece que a decisão não foi tomada. Não creio que haja uma resposta certa, e nem o próprio Pessoa poderia adivinhar que opções viria a escolher no futuro.

 

Ser total e múltiplo era o seu intento, a ferramenta escolhida a heteronímia. Acredito que é também em cada poema que abre em si todas as hipóteses possíveis e as deixa em aberto, não para que escolhamos, mas para que as possamos ver a todas, que o poeta se cumpre, e deixo uma provocação: para quando uma edição de Fernando Pessoa escolha-múltipla?

Eu acho que

Pub

Videoclipe.pt
Videoclipe.pt

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Neurociências

Joana Barroso

Investigadora da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto destacou-se com um projecto sobre o papel que o cérebro desempenha na dor crónica e venceu a...

“Continua a valer tudo nas ofertas de...

Entrevista // Plataforma de denúncia de emprego precário e ilegal Ganhem Vergonha reuniu...